Como a tecnologia está impactando o tratamento de desvios posturais?

Chamamos de desvios posturais as alterações na coluna que se apresentam por meio de desvios anormais ou a acentuação das curvaturas que existem normalmente em nosso corpo. É o caso da hiperlordose, da hipercifose e da escoliose. Para que o equilíbrio seja mantido, é comum que, nesses casos, os indivíduos se esforcem por compensar os desvios fazendo o mau uso das articulações, o que pode causar sérios problemas futuramente.

Para a sorte de quem sofre com aquelas condições, a tecnologia vem trazendo avanços que impactam de forma altamente positiva o tratamento de desvios posturais. Para orientar você com mais detalhes sobre esse assunto, elaboramos um texto que vai lhe explicar tudo de que precisa entender. Continue a leitura e saiba mais!

Os melhores equipamentos e maior precisão no tratamento

O aparecimento de novos equipamentos garante que o tratamento de desvios posturais tenha muito mais opções. Um instrumento inovador, como o scanner postural da coluna (chamado Vert 3D), usa tecnologia de ponta e entrega resultados tão certeiros que beneficiam totalmente a reabilitação dos pacientes utilizando uma técnica não-invasiva.

As projeções de luz estruturadas nas costas do paciente ajudam na avaliação e asseguram os diagnósticos com o máximo de conforto para ele. A câmera do equipamento forma uma imagem tridimensional da parte posterior do paciente com eficiência na emissão de dados.

Os resultados, então, são apresentados de maneira que essa imagem possa ser “girada” em todas as direções, a fim de proporcionar melhor visualização. Tudo vem acompanhado de tabelas, gráficos e mapas de cor. Ou seja, vários elementos que facilitam a identificação dos pontos com deformidades devido aos desvios posturais.

Os objetivos do tratamento de desvios posturais

Eles têm por finalidade, sobretudo, a atenuação dos riscos que os desvios posturais trazem para os pacientes. Algumas consequências dessa falhas na coluna são, por exemplo: a diminuição da capacidade respiratória; as dores constantes no local ou mesmo em regiões afastadas do problema; e a presença dos músculos fracos ou encurtados.

Claro, não devemos deixar de lado a questão estética que essas irregularidades envolvem. Elas podem comprometer fortemente a autoestima das pessoas que as apresentam, prejudicando bastante sua qualidade de vida. Por isso, é essencial buscar as formas apropriadas e eficazes de correção para os desvios posturais.

Os casos mais indicados para esses tratamentos inovadores

Equipamentos como o scanner postural são indicados para o bom tratamento de desvios como: lombalgia, escoliose, lombocitalgia, artrose e outros tipos de disfunções presentes na região dorsal do corpo.

É tempo de deixar os receios de lado e investir em inovações. As funcionalidades trazidas pelos avanços da tecnologia propõem diversos ganhos para as clínicas e também para seus pacientes. A automação dos processos reúne vantagens importantes — tanto para aqueles profissionais que trabalham nessa correção, quanto para quem precisa de tratamento para os seus desvios de postura. Todos saem ganhando!

A tecnologia, quando bem empregada, auxilia até mesmo na melhoria do atendimento desses indivíduos durante a consulta e segue até a fase de pós-consulta. Isso resulta em uma experiência mais completa e satisfatória para as pessoas que carecem de um tratamento de desvios posturais.

O que achou das informações deste post? Interessantes, não é? Que tal saber um pouco mais sobre os equipamentos para terapias de reabilitação? Entenda melhor o uso da tecnologia na valorização dessa atividade.

Entenda sobre uso da eletromiografia e do biofeedback nas aplicações biomecânicas

Com o avanço da tecnologia, os profissionais de fisioterapia têm a oportunidade de experimentar novos equipamentos para otimizar o tratamento e a reabilitação dos seus pacientes. Estamos falando das aplicações biomecânicas que são usadas para analisar meticulosamente cada movimento e possibilitar uma recuperação mais eficiente aos pacientes.

Nesse sentido, o uso da eletromiografia e do biofeedback nas aplicações biomecânicas se faz fundamental. Isso porque, por meio deles, é possível melhorar a atividade motora voluntária, utilizando os resultados esperados pelo profissional e, também, pelo paciente.

Para tornar esse assunto ainda mais claro, explicamos, neste artigo, como a eletromiografia e o biofeedback podem ser usados nas aplicações biomecânicas. Continue a leitura e confira nossas informações!

As aplicações biomecânicas

A biomecânica tem como principal objetivo analisar fisicamente os sistemas biológicos do nosso organismo, examinando os efeitos das forças mecânicas sobre o corpo em movimentos do dia a dia, do esporte e do trabalho.

Em suma, ela estuda a forma como todos os seres vivos se adaptam às leis da mecânica quando realizam movimentos voluntários. Sendo assim, a biomecânica analisa as funções dos sistemas biológicos, como o funcionamento dos músculos, tendões, ligamentos, ossos e cartilagem, dentre outros fatores que influenciam na performance do indivíduo.

Esse método consegue associar a prevenção músculo-esquelética do paciente com as ações da sua rotina, a fim de evitar que esforços desnecessários prejudiquem as estruturas do indivíduo e de racionalizar a sua ação motora.

O uso da eletromiografia e do biofeedback nas aplicações biomecânicas

Tanto a eletromiografia quanto o biofeedback são uma análise do potencial elétrico dos músculos, chamado de potencial de ação do paciente. A diferença entre os dois é o tratamento dos dados.

A eletromiografia é um exame utilizado para mostrar a didática para o paciente e obter uma precisão sobre a atividade elétrica no músculo escolhido. Já no biofeedback, você precisa de uma interação, ou seja, existe uma retroalimentação da terapia que depende do entendimento do paciente.

O uso da eletromiografia e do biofeedback depende do objetivo de biomecânica. Você pode avaliar a relação agonista e antagonista entre os grupos musculares — o que chamamos de coordenação intramuscular —, pode melhorar a relação de sinergismo dos músculos que ajudam a realizar um movimento, pode fazer uma análise da frequência muscular e determinar que tipo de fibras estão predominantes em cada paciente, por exemplo.

Com a eletromiografia, por exemplo, pode-se fazer uma avaliação de uma perna em relação à outra, realizando uma comparação da ativação de um músculo em relação ao outro. Nesse momento, o profissional observa o tempo de sustentação dessa atividade muscular e a fadiga dessa musculatura. Com o biofeedback, ele faz um recrutamento para treinar um grupo específico de músculos e uma avaliação da eficácia terapêutica.

A prática da eletromiografia e do biofeedback tem um respaldo científico por trás, como outros métodos da reabilitação. Então, o profissional associa esses métodos baseados em evidências no tratamento dos pacientes.

No entanto, é válido ressaltar que a eletromiografia e o biofeedback não podem ser utilizados como monoterapia, pois são métodos associados a outros treinamentos. Tudo vai depender muito do diagnóstico do paciente, do prognóstico que ele tem de acordo com a sua lesão, do que já foi realizado e da consciência terapêutica do indivíduo.

Além do mais, é preciso ter um conhecimento teórico e prático para utilizar ambos os recursos, como todo método científico. Nesse sentido, é preciso ter uma base técnica e científica que assegure a melhor eficácia de tratamento para o seu paciente.

A fisioterapia é uma ciência que não é exata. A eletromiografia e o biofeedback lhe dão substrato para mostrar que o seu recurso terapêutico e de avaliação está próximo da melhor proposta para o paciente.

A aplicação dessa metodologia garante uma maior segurança e eficácia no tratamento do paciente. Para toda pergunta relacionada à atividade elétrica, cabem uma avaliação eletromiográfica e um treinamento de biofeedback (conheça as 5 etapas)  . Sendo assim, o importante é você entender o conceito fisiológico.

O fisioterapeuta tem muita dificuldade de entender o que é a eletromiografia e como ele pode utilizá-la na prática clínica. O que isso diferencia no dia a dia do seu consultório? A melhora está no resultado que você vai proporcionar ao seu paciente, de entender quais são os benefícios fisiológicos que aquela terapia ou aquela avaliação estão gerando no indivíduo.

Inclusive, será possível começar a documentar e nortear essas avaliações fisiológicas, que, hoje, são muito qualitativas e pouco didáticas para o enfermo. Dessa forma, o maior beneficiado desse resultado é o paciente.

O método FIBE

O método FIBE é um treinamento baseado em evidências científicas, que contempla algumas das ações de eletromiografia e de biofeedback eletromiográfico. Seu principal foco é tornar a terapia mais eficaz ao fornecer resultados mais objetivos que vão auxiliar o profissional na hora de cuidar da recuperação do paciente.

Ele é dividido em três diferentes áreas: biomecânica, orofacial e pélvica, para aprimorar as formas de atendimento e para monitorar a evolução dos pacientes, de maneira quantitativa.

Para entender como o método FIBE funciona, o profissional escolhe a área de atuação que mais lhe interessa e, assim, realiza a sua inscrição para ter acesso ao curso. Portanto, se você deseja se diferenciar no mercado e oferecer um atendimento de melhor qualidade técnica aos seus pacientes, o método FIBE é o que você precisa para alcançar esses objetivos de maneira eficiente.

As soluções da Miotec

Procurar por empresas que ajudam a tornar o seu cotidiano mais simples e, ao mesmo tempo, auxiliam na entrega de excelentes resultados aos pacientes é fundamental para sair na frente dos seus concorrentes. Entre as principais soluções da Miotec, podemos citar duas muito importantes:

  • New Miotool Wireless: é um sistema sem fio de captação de dados que permite a utilização de sensores de Eletromiografia de Superfície (EMG), força, pressão, ângulo etc. Indicado para fins clínicos e de pesquisa, ele torna a experiência com a EMG mais funcional e prática.

  • Miostab — estabilizador de coluna: constitui-se de uma bolsa insuflável e de um manômetro para medir a pressão. O equipamento fornece informações importantes para analisar se os exercícios de estabilização da coluna foram feitos adequadamente;

Investir nas aplicações biomecânicas é muito importante para entregar a melhor experiência possível aos seus pacientes. Recuperações rápidas e eficientes são ofertadas no mercado nos dias de hoje, por isso, você não pode ficar para trás.

Quer saber o que mais a Miotec tem a lhe oferecer e como ela pode ajudá-lo a sair na frente de seus concorrentes? Entre em contato conosco e conheça nossos equipamentos!

Inteligência artificial aplicada à saúde: quais são os benefícios?

Desde a sua origem, a medicina desenvolveu práticas relacionadas a ferramentas para melhorar o desempenho dos processos curativos. A inteligência artificial aplicada à saúde é um demonstrativo da evolução da tecnologia, que complementa o trabalho dos profissionais da área da saúde, trazendo maior controle e capacidade técnica.

O conceito de inteligência artificial, também conhecida como IA, é aplicável para sistemas que usam robôs em funções imitativas de procedimentos e comportamentos humanos. Na área da saúde, designa recursos diagnósticos de comparativos históricos, métodos de pesquisa científica com extenso volume de dados, aparelhos cirúrgicos de grande precisão, entre outros.

A seguir, vamos mostrar os principais benefícios da utilização da inteligência artificial na saúde. Continue a leitura para conferir!

Maior precisão diagnóstica

Os recursos de inteligência artificial aplicada à saúde permitiram que os softwares de identificação de doenças avançassem para um patamar de maior precisão. Capaz de realizar leituras de imagem com maior acuidade, os programas são mais assertivos e velozes.

Assim, alguns equipamentos reconhecem informações difíceis de serem examinadas por recursos humanos, ampliando as noções de diagnóstico pela integração dos mecanismos de automação.

Melhor integração de dados

Ao fazer um histórico manual, a clínica e os profissionais de saúde dependem do trânsito desses registros para que as informações dos pacientes estejam atualizadas e completas. Com o prontuário eletrônico, softwares podem ser programados para cruzar informações clínicas de forma mais elaborada.

Tal função permite uma melhor visualização dos históricos médicos e, consequentemente, ajudam na designação de intervenções.

Aumento das chances de recuperação

A inteligência artificial desenvolve métodos de tratamento baseados em dados ricos, aumentando, assim, as chances de recuperação por paciente. No caso do câncer, por exemplo, a IA é usada para produzir medicamentos por meio de informações sobre genomas, podendo trabalhar com procedimentos personalizados que têm sua eficácia aumentada.

Os exames laboratoriais, analisados profundamente, se tornam capazes de mostrar tumores em estágio inicial, aumentando a probabilidade de cura dos casos.

Otimização do atendimento

A agilidade promovida pelo agenciamento eletrônico de dados de cadastros, exames e agenda de consultas contribui para o atendimento. Com a implementação de tarefas automatizadas, a recepção pode se ater a aspectos mais cuidadosos da relação com o paciente.

Como pode ser coordenado em conjunto com programas de gestão de clínicas e hospitais, funções como marcações de consultas, exames e retornos passam a ser feitos com um grande grau de personalização, tornando todo o suporte e comunicação mais humanizados.

A redução de danos, combinada com a potencialização de recursos personalizados, faz com que as ferramentas digitais sejam de grande relevância para o campo. Embora aparentemente possa demonstrar ser um “bicho de sete cabeças”, os métodos tecnológicos dessa vertente podem ser aplicados facilmente, com treinamentos curtos e eficazes.

Portanto, ampliar os conhecimentos em inteligência artificial aplicada à saúde contribuem para a vida do médico, do paciente, além de trazer mais saúde corporativa para clínicas e hospitais.

Gostou do nosso artigo? Então você também vai se interessar pelo nosso post mostrando o que a robótica pode fazer para a medicina. Até lá!

Conheça os equipamentos e técnicas para estabilizar a coluna

As dores nas costas, especialmente no pescoço e na lombar, são muito comuns entre pacientes de todos os tipos. Em média, há 540 milhões de pessoas afetadas por essa queixa. Como profissional da área, é essencial conhecer os equipamentos e técnicas para estabilizar a coluna.

Diante das possibilidades, é possível garantir que os pacientes tenham mais qualidade de vida e bem-estar. Isso também gera uma atuação completa sobre o problema muscular, o que permite conquistar resultados diferenciados.

A seguir, conheça os principais equipamentos e técnicas para estabilizar a coluna e entenda como usar cada um.

Mobilizar ou estabilizar coluna?

A estabilização da região vertebral é um processo muito importante e atua como ferramenta terapêutica. Para que seja possível, são realizados diversos procedimentos que visam o fortalecimento dos músculos — tanto os profundos quanto os abdominais.

Em resposta, há uma estabilização das articulações, o que diminui a sobrecarga. Também é um jeito de reduzir o risco de instabilidade e de desgaste, o que contribui para aliviar o nível de dor na coluna.

No entanto, é preciso pensar na mobilização dessa região. Trabalhar a extensão dos músculos facilita o movimento e garante um resultado melhor em relação à estabilização.

Dependendo do quadro do paciente, portanto, é recomendado utilizar uma abordagem que integre os dois elementos. Com a mobilização seguida da estabilização, por exemplo, é possível conquistar um desempenho ampliado.

Quais são as melhores técnicas?

Em princípio, é imprescindível reconhecer as necessidades do paciente antes de recomendar os exercícios. Há uma série de possibilidades e cada uma é indicada para certa especificidade. Desse modo, cabe ao profissional identificar quais são as exigências fisioterapêuticas de cada quadro.

Uma alternativa bastante comum é o alongamento, conforme matéria da National Institutes of Health. Ele pode contar com a ajuda de equipamentos específicos ou ter apenas o peso do corpo como componente principal. Alongamentos cruzados ou para a lombar bem como certos abdominais trabalham os músculos adequados.

Também há os de contração e de ponte, por exemplo. Eles ajudam a estimular certos grupamentos musculares, o que faz com que a coluna ganhe a força necessária. Na maioria das vezes, essas atividades envolvem a extensão de músculos e o seu reforço ao usar o próprio peso do organismo. Como profissional da área, é fundamental orientar os pacientes a seguir a postura ideal, de modo a evitar lesões.

Como dito, cada paciente tem uma exigência não só quanto aos exercícios, mas quanto às séries, frequências e intensidades. Portanto, é indispensável reconhecer quais são os pontos mais importantes e trabalhar para que problemas individuais sejam corrigidos.

Quais equipamentos devo usar?

Além dos treinamentos, é recomendado utilizar equipamentos variados. Em princípio, há aqueles voltados para a prática de atividades específicas, como aparelhos de pilates. Entre as possibilidades, há as mesas de tração e de flexão, que mobilizam e estabilizam a coluna. Também há recursos de eletroterapia, com ação anti-inflamatória e analgésica.

Entretanto, quando os equipamentos e técnicas para estabilizar a coluna formam o assunto principal, é preciso ir além e pensar no fortalecimento muscular. Nesse sentido, o MioStab é um dos principais métodos.

Ele conta com uma bolsa inflável de material específico que é acoplada a um manômetro. Como resultado, oferece um biofeedback confiável e que ajuda a entender, por exemplo, quais são os efeitos de certos exercícios.

Além disso, é essencial para potencializar o trabalho dos músculos profundos por meio de contrações induzidas e bem controladas. Eles nem sempre são acessados por alguns exercícios e técnicas, então a exigência de algo mais específico é muito importante. O uso é descomplicado e promete máxima eficiência na resolução das dores.

Usar os seus conhecimentos profissionais para aplicá-lo torna-o uma das ferramentas mais importantes no processo de estabilização. Assim, é possível conquistar efeitos positivos em uma grande quantidade de pacientes com diferentes necessidades.

Para o futuro, há algumas tendências que devem ser observadas. Uma das principais possibilidades é a adoção de uma interface amigável ao usuário. Nesse caso, o paciente poderia visualizar a contração do músculo em vez de apenas tê-la mensurada. Como resultado, o biofeedback seria ainda mais preciso, assim como a condução das melhores abordagens.

Quais são os benefícios do MioStab?

Como aparece entre os principais equipamentos e técnicas para estabilizar a coluna, vale a pena conhecer as vantagens específicas do MioStab. Em primeiro lugar, trata-se de um recurso confiável, desenvolvido com uma tecnologia simples mas capaz de oferecer resultados adequados. Com isso, seu uso ajuda a seguir com a melhor forma de tratamento.

Ele também é bastante fácil de usar, tem baixo custo e elevada durabilidade. Trata-se de algo que pode ser utilizado em academias, clínicas, estúdios de pilates ou mesmo no trabalho ou em casa. Com tanta autonomia, os efeitos são muito favorecidos.

Outro aspecto relevante é que ele não busca agir apenas nos sintomas, como a dor ou o inchaço. Pode-se dizer que a maioria dos pacientes sofre com tal efeito por causa da fraqueza da região abdominal, principalmente. Então, o estímulo adequado dos músculos dá origem a um exercício de fortalecimento completo.

Além de ser um recurso indicado para quem tem dores lombares e cervicais, também atua na prevenção. Com o fortalecimento adequado, é possível evitar dores e lesões em quem trabalha no escritório por um longo período, por exemplo.

Por ser muito seguro, permite que pacientes em todas as condições o utilizem. Independentemente de idade, gênero, fase da dor ou nível de fraqueza, ele pode ser empregado. Já que estimula a contração dos músculos profundos, oferece uma estrutura reforçada ao grupo muscular.

Para melhorar, há a possibilidade de usá-lo tanto na região lombar quanto na área cervical. Assim, ajuda a solucionar os principais quadros relacionados. Logo, pessoas que sentem dores em ambos os pontos são favorecidas com uma solução única que proporciona um atendimento completo às necessidades.

Os equipamentos e técnicas para estabilizar a coluna são essenciais para conseguir bons resultados. Entre todos eles, o MioStab se destaca pela união entre ótimos resultados e facilidade de uso. Então, vale a pena considerá-lo como uma alternativa capaz de ajudar os pacientes.

Para fazer a aquisição, visite o site da Miotec e veja quais são os produtos disponíveis.

Aprenda como divulgar a clínica nas redes sociais

A publicidade passou por uma grande transformação com o surgimento das redes sociais. Com elas, ficou fácil para o empreendedor divulgar seu serviço e interagir com seus clientes. E para as clínicas médicas a ideia é a mesma.

Entretanto, publicidade para saúde requer cuidado, pois qualquer deslize pode ferir o código de ética e manchar o nome da empresa. Portanto, para não cometer erros e potencializar o sucesso do seu negócio, continue a leitura e confira algumas dicas sobre como divulgar a clínica nas redes sociais.

Benefícios de investir na estratégia

Uma das principais vantagens é o baixo custo. Afinal de contas, não é preciso pagar nada para criar uma página no Facebook ou no Instagram, embora seja possível investir para alavancar a divulgação.

Além disso, o público tem acesso facilitado às informações da empresa, como horário de funcionamento, preços e serviços disponíveis. Isso cria mais oportunidades de negócios, já que clientes em potencial descobrem que você oferece o serviço do qual eles precisam.

Dicas de como divulgar a clínica nas redes sociais

Pode parecer fácil, mas criar um ambiente virtual para empresas requer alguns cuidados essenciais. Por isso, siga nossas dicas e otimize sua divulgação online.

Publique pautas interessantes

Não adianta criar conteúdo apenas para movimentar a página. O ideal é que ele seja relevante para os leitores. Algumas sugestões interessantes para todo tipo de público são dicas de alimentação, vida saudável e explicação sobre doenças. Vale ressaltar: sempre baseie as postagens em dados e evidências.

Interaja com o público

Responder comentários, fazer enquetes e sorteios são práticas que aumentam o engajamento do público. As redes sociais são canais de comunicação abertos, o que cria mais oportunidades de interação — por exemplo, sua clínica pode marcar consultas via Facebook Messenger ou WhatsApp.

Tenha uma identidade própria

Use imagens de alta resolução e com cores semelhantes, para criar o estilo da sua clínica. Além disso, lembre-se: é impossível agradar a todos. Por isso, conheça seu público, pense nos problemas que ele enfrenta e como você vai apresentar a solução ideal. Assim, você garante que usará a linguagem e o tom adequados.

Tenha frequência de publicação

É preciso ter consistência para postar, de modo que a página não fique saturada ou que os leitores fiquem esperando. Existem programas que oferecem métricas sobre os dias e horários com mais tráfego em cada rede. Aproveite para divulgar novidades, como quando adquirir um aparelho novo ou oferecer novos serviços.

Diferença entre mídia orgânica e mídia paga

Quando estiver traçando sua estratégia de divulgação da clínica nas redes, é importante ter em mente a diferença entre mídia orgânica e mídia paga.

Quando as pessoas chegam ao seu conteúdo por meio de pesquisa, curtem e comentam por estarem engajados, e têm interesse genuíno, isso é chamado de mídia orgânica. Por sua vez, quando há um investimento que visa aumentar o alcance da empresa, por meio de anúncios que dão mais evidência e aumentam a exposição, fala-se em mídia paga.

Tipos de conteúdo mais indicados para cada rede social

Tão importante quanto escolher as redes sociais mais adequadas é manter o foco em dois ou três formatos de publicações, de acordo com seu serviço, público e conteúdo.

O Facebook é a porta de entrada da sua clínica. Você pode colocar dados, endereço e usar como um canal de comunicação mais rápido com seus clientes. Os posts devem convidar o leitor a conhecer o site ou blog da clínica. Lá, é ideal ter conteúdo mais longo, com dicas mais específicas e maior volume de postagem.

Para o Instagram, o conteúdo visual é o mais indicado — fotos e vídeos. Já o WhatsApp é direcionado ao contato, então, evite postagens invasivas e indesejadas para que as pessoas não bloqueiem você.

A atenção do usuário nas redes é cada vez mais concorrida. Para ter sucesso ao divulgar sua clínica nas redes sociais, é preciso seguir boas práticas e ser consistente nas postagens. Além disso, é essencial saber o conteúdo adequado para cada tipo de mídia, para não perder a oportunidade de adquirir novos clientes.

Gostou de aprender como divulgar a clínica nas redes sociais? Baixe o nosso e-book e comece hoje mesmo a alavancar o seu negócio na internet!

5 Benefícios da tecnologia no cuidado com o paciente

O investimento em tecnologia constitui um diferencial para os serviços de saúde na atualidade, independentemente do seu porte ou do seu segmento de atuação, facilitando o trabalho dos profissionais e promovendo a otimização do cuidado com o paciente.

Entenda, neste artigo, qual é a importância das inovações tecnológicas e conheça 5 benefícios desse processo para o atendimento e avaliação dos pacientes.

Entenda a importância da tecnologia no cuidado com o paciente

O uso da tecnologia em saúde é uma tendência definitiva para os consultórios, clínicas especializadas e grandes hospitais, otimizando a rotina de cuidado com o paciente e facilitando o trabalho de todos os profissionais envolvidos nesse processo.

Desde a recepção dos indivíduos que chegam ao serviço de saúde, passando pela intervenção terapêutica e chegando ao pós-consulta, as inovações tecnológicas permitem maior eficiência na abordagem terapêutica.

Trata-se de um investimento fundamental para garantir as melhores condições de atuação para médicos, enfermeiros, fisioterapeutas e demais membros da equipe, assim como para permitir que os pacientes tenham acesso a uma intervenção personalizada, que promova a recuperação da saúde da forma mais rápida possível.

Agora que você já sabe qual é a importância do emprego qualificado da tecnologia no cuidado com o paciente, descubra quais são os cinco principais benefícios da automação em clínicas, hospitais e centros de saúde.

Maior eficiência na gestão hospitalar

A automação dos processos promove maior eficiência na gestão hospitalar, por meio da simplificação das tarefas e da redução da burocracia e dos prazos para que as solicitações de médicos e pacientes sejam atendidas.

Para os pacientes, isso significa mais rapidez na marcação de consultas ou no acesso ao resultado de exames, tornando o acesso aos serviços de saúde mais satisfatório.

Mais qualidade de vida para pacientes crônicos

No acompanhamento de indivíduos com doenças como a hipertensão e a diabetes, o uso de dispositivos tecnológicos pode proporcionar mais qualidade de vida e bem-estar aos pacientes.

O emprego das ferramentas de monitoramento remoto para captar e transmitir informações sobre pressão arterial, glicose sanguínea e batimentos cardíacos, entre outras, permite que a equipe médica ofereça suporte constante, facilitando o cuidado com o paciente crônico.

É mais fácil controlar os sintomas, reduzindo a necessidade de internações e diminuindo, até mesmo, o uso de determinados medicamentos, o que contribui para a manutenção da saúde global.

Otimização da pesquisa e definição de diagnósticos

A tecnologia diagnóstica é uma área em constante evolução, proporcionando mais rapidez e eficácia na identificação de doenças e outras anormalidades fisiológicas, o que garante uma abordagem mais segura por parte da equipe médica.

O diagnóstico precoce das enfermidades permite a redução de custos no tratamento, reduz a realização de exames invasivos e promove as condições necessárias para que o tratamento proposto tenha sucesso.

Melhorias na avaliação e acompanhamento do paciente

A avaliação dos pacientes e o monitoramento do seu estado clínico também são impactados positivamente pelo uso das ferramentas tecnológicas especialmente desenvolvidas com esse objetivo, sobretudo no âmbito da medicina reabilitativa.

Os equipamentos disponíveis no mercado são capazes de detectar as mínimas nuances do desempenho neuromuscular, favorecendo a adequação das condutas de tratamento sempre no intuito de promover a melhora contínua do estado de saúde dos pacientes.

Avanços na clínica de fisioterapia

O uso da tecnologia de forma estratégica está revolucionando o cuidado com o paciente durante a abordagem fisioterápica, com ganhos que vão desde a etapa de avaliação até o monitoramento do paciente após a conclusão do atendimento.

Os benefícios da tecnologia na fisioterapia podem ser notados, por exemplo, no uso da gameterapia e da realidade virtual para engajar os pacientes em todas as fases do tratamento, mantendo a motivação e melhorando a performance durante a execução dos movimentos propostos.

Por sua vez, a eletroterapia, a eletromiografia de superfície e a utilização do biofeedback possibilitam ao fisioterapeuta uma abordagem mais completa da função neuromuscular de seus pacientes, fornecendo informações precisas que guiam a condução da intervenção terapêutica de forma precisa, promovendo os melhores resultados.

Quer saber mais sobre o emprego da tecnologia no cuidado com o paciente e descobrir como otimizar as práticas da sua clínica? Visite agora mesmo o blog da Miotec e confira mais artigos especializados em saúde, reabilitação e inovação tecnológica!

Robótica na Medicina: quais as principais inovações da área?

As principais inovações de robótica na Medicina estão transformando as consultas e tratamentos médicos. Antes restrita a consultas e avaliações laboratoriais, a tecnologia vem sendo aliada a processos e diagnósticos, otimizando resultados para todas as áreas.

Muito além do prontuário eletrônico, a robótica vem sendo implementada para solucionar desde procedimentos simples até o monitoramento de sinais vitais, com grande confiabilidade. Os dados colhidos servem para diminuir os riscos, identificar possíveis desenvolvimentos de doenças e melhorar os processos cirúrgicos e diagnósticos.

A Medicina do futuro alia o conhecimento técnico com o desenvolvimento humano, gerando uma relação mais companheira entre médico e paciente. Ela auxilia nas pesquisas que tratam das doenças infecciosas, contágios e riscos de acordo com a faixa etária e pode servir para indicar tratamentos para rejuvenescimento, terapias e nutrição.

Confira, neste texto, os principais usos das novas tecnologias na área de saúde.

Uso de inteligência artificial

Simulando algumas atividades humanas, a inteligência artificial é conectada a dispositivos, de modo a desempenharem processos de diagnóstico, estatísticas e resolvendo problemas. Armazenando um banco de dados de pacientes reais, ela cruza resultados, fazendo cálculos que apontam informações com precisão.

A IA é utilizada para transmitir exames via telemedicina e também para fazer triagens e análises antes de atendimentos. Tais ferramentas podem ser usadas em tratamentos contra câncer, por exemplo, e melhorar o atendimento nos centros médicos de pronto atendimento.

Robótica na Medicina: monitoramento em tempo real

Os pacientes que precisam de acompanhamento frequente monitoram as funções coletando os dados de modo contínuo. A robótica auxilia a obtenção dessas informações por meio de tecnologia. Assim, consegue reunir, armazenar ou mesmo enviar os dados para outras pessoas, como médicos e acompanhantes.

Podem ser medidos o nível de oxigenação, de glicose, da pressão arterial ou dos batimentos cardíacos. A captação das informações é feita por aparelhos que podem ser conectados a smartphones, tablets e outros dispositivos eletrônicos, acessados a partir de um simples aplicativo.

Acesso ao banco de dados integrados

Integrando vários dispositivos ligados desde o diagnóstico até o monitoramento de recuperação, os bancos de dados podem ser compartilhados, acompanhando cada mudança em tempo real.

Conectados a aparelhos analógicos e também aos de última geração, os dados podem ser reunidos em uma plataforma única, com uma interface que indicará os resultados. Também podem ser programados alarmes para medicamentos ou realização de exames periódicos.

Realização de cirurgias menos invasivas

Certamente um dos tópicos mais interessantes do uso da robótica na Medicina se dá pelo seu uso cirúrgico. Gerando robôs que trabalham com bastante precisão e menor invasão, a tecnologia colabora para um procedimento de maior segurança.

Os robôs acessam áreas de modo mais controlado, enviando informações o tempo inteiro para o médico cirurgião. Sendo menos agressiva para o corpo, a robótica auxilia na recuperação e no sucesso dos procedimentos.

Embora a robótica na Medicina seja vista como uma contribuição somente no modo evolutivo, ela faz com que a relação entre médico e paciente se torne mais confiante e humanizada. Retirando os processos burocráticos dos profissionais, eles podem se dedicar com mais cuidado ao tratamento e ao acompanhamento dentro de consultórios e cirurgias.

Gostou das inovações? Então não deixe de conferir como a tecnologia pode contribuir com a reabilitação de pacientes.

Eletromiografia de superfície: Como Ricardo Padovan conseguiu se diferenciar na fisioterapia ortopédica e esportiva

Com certeza você já ouviu falar da eletromiografia de superfície, certo? Mas você realmente sabe como essa tecnologia pode se tornar um diferencial na fisioterapia ortopédica e esportiva? É importante ressaltar que por meio dela o profissional também pode aumentar a sua receita, ter autonomia na prescrição do tratamento e auxiliar na avaliação funcional.

Para mostrar a você as vantagens da eletromiografia de superfície na prática, vamos apresentar um de nossos cases de sucesso: o fisioterapeuta Ricardo Padovan, formado pelo Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio — CEUNSP e especialista em treinamento e nutrição esportiva, bioquímica e fisiologia pela Unicamp.

Continue a leitura deste case até final e saiba como esse profissional conseguiu se diferenciar utilizando a eletromiografia de superfície na fisioterapia ortopédica e esportiva!

Como Ricardo Padovan conheceu a MIOTEC?

Para início de conversa, precisamos esclarecer que a MIOTEC é uma empresa que desenvolve, fabrica e distribui equipamentos para reabilitação física e melhoria de performance. Todos eles contam com alta tecnologia, são inovadores e com poucos ou nenhum similar no mercado nacional.

Tendo em vista toda essa credibilidade no mercado, Ricardo Padovan encontrou nela o que precisava. Após 4 anos de estudos na área de reabilitação em ortopedia, treinamento, cinesiologia e biomecânica, ele percebeu que grande parte das respostas que buscava estavam ligadas à eletromiografia.

Fisioterapeuta Ricardo Padovan palestrando sobre eletromiografia de superfície no V Simpósio Brasileiro de Pesca com Mosca, em Santo Antônio do Pinhal/SP
Fisioterapeuta Ricardo Padovan palestrando sobre eletromiografia de superfície no V Simpósio Brasileiro de Pesca com Mosca, em Santo Antônio do Pinhal/SP

Em 2004, Ricardo Padovan constatou que os melhores trabalhos nacionais com eletromiografia de superfície eram realizados com aparelhos de EMGs da marca MIOTEC.

Além disso, todos apresentavam uma proposta interessante nas opções de acessórios para serem acoplados ao EMGs, como Goniômetro, Célula de Carga e o Biofeedback.

Como a eletromiografia de superfície o ajudou?

Ricardo Padovan considera a eletromiografia de superfície como o principal fator que o diferenciou da concorrência. Utilizando essa tecnologia desde 2005, ele se tornou um dos pioneiros na utilização da EMG na prática clínica. Por meio dessa ferramenta, ele conseguiu entender o sistema locomotor de uma maneira única, clara e individualizada.

O profissional conta que, desde o início da sua profissão, a EMG o estimulou a ver o paciente como um ser único, dotado de particularidades físicas. Para Ricardo, é necessário ver o paciente como um ser singular, que deve receber um tratamento direcionado às individualidades de cada um.

Quais problemas ele enfrentava antes de poder contar com o eletromiógrafo?

Como o Dr. Ricardo Padovan trabalha com a reabilitação ortopédica e esportiva, muitas vezes, ele ficou sem respostas quando se questionava sobre algumas técnicas que eram utilizadas na reabilitação de seus pacientes, mesmo no entendimento de um gesto esportivo específico ou de um gesto normal da vida diária de um paciente.

Isso porque, desde a sua graduação até mesmo hoje em dia, ele observava muitos protocolos padronizados, como se todos os corpos fossem idênticos, funcionando e respondendo aos estímulos da mesma maneira, ou baseados em estudos de 20 a 30 anos atrás. Muitas vezes, esses estudos eram direcionados a um objetivo diferente daquele que o fisioterapeuta buscava.

A dificuldade era grande. Em muitos casos, ele se via obrigado a embasar seu protocolo de tratamento em estudos paralelos ao seu objetivo e, mesmo reabilitando seus pacientes com embasamento nas melhores referências bibliográficas, não tinha certeza que aquela conduta era a melhor para o caso.

Diante dessas dificuldades, o seu maior sonho era adquirir a eletromiografia de superfície, para trazer muitos dos trabalhos científicos estudados e já realizados para a prática clínica com os seus pacientes.

Quais são os principais usos desse equipamento e como ele ajuda os pacientes?

Depois de muitos anos de estudo, seu primeiro objetivo era entender o funcionamento do sistema locomotor. Foram centenas de eletrodos utilizados para reproduzir muitos experimentos, aprender sobre o recrutamento muscular e sua influência no funcionamento articular do sistema locomotor nas mais variadas situações.

Com o aproveitamento de todos os recursos do EMG da Miotec, é possível mensurar a força e a resistência muscular por meio da célula de carga. Isso ajuda a identificar possíveis desequilíbrios e dar rastreabilidade para o trabalho realizado. Assim, pode-se monitorar suas evoluções, e se necessário, fazer o controle das angulações articulares por meio do goniômetro biarticular.

Análise da força isométrica máxima dos músculos flexores de tronco.

Com o passar do tempo, a eletromiografia de superfície tornou-se parte do seu dia a dia no consultório. Hoje, ela é uma ferramenta quase que obrigatória na avaliação de algumas disfunções musculoesqueléticas, possibilitando diagnósticos mais precisos, além de planos de tratamento direcionados de acordo com a individualidade de cada caso e de cada paciente.

Para o Dr. Ricardo Padovan, esse trabalho, sem dúvida alguma, proporciona ao paciente um tratamento mais adequado, garantindo a qualidade, individualidade e menor tempo de reabilitação, além de quantificar os resultados de maneira rápida e segura.

Como o profissional da área de saúde pode aumentar sua receita e ter mais autonomia com esse equipamento?

O Dr. Ricardo Padovan tem pleno conhecimento de é possível aumentar a receita por meio da utilização da eletromiografia de superfície.

Mesmo que não sendo seu objetivo principal, esse aumento da receita foi uma consequência, pois, além do ganho direto com as avaliações, existe o valor indireto agregado ao trabalho, já que o paciente consegue observar, com facilidade, a qualidade e individualização do tratamento, valorizando o profissional e o tratamento realizado.

Além de tudo, a utilização da eletromiografia de superfície garante ao profissional a autonomia do seu trabalho, por embasar seus planos de tratamento ou protocolos de reabilitação em avaliações individualizadas, trabalhando de acordo com a necessidade de cada paciente.

Ricardo Padovan ainda conta que a eletromiografia de superfície é uma excelente ferramenta, que facilita o entendimento e amplia o conhecimento. Por meio dela, é possível levar o conhecimento restrito de laboratórios para dentro dos consultórios, proporcionando condições de trabalho que antes eram somente vistas nos grandes centros de pesquisa.

O Dr. Ricardo Padovan já atendeu diversos atletas de grande destaque no país, além disso, é recordista em canoagem por mais tempo remando. Isso significa que ele tem autoridade e conhecimento suficientes para falar das vantagens da eletromiografia de superfície, certo?

Você também quer ter acesso a essa tecnologia para oferecer o melhor tratamento na reabilitação de seus pacientes? Entre em contato conosco e saiba o como podemos ajudá-lo nessa missão!

Por que atualizar o eletromiógrafo? Saiba neste artigo!

O eletromiógrafo é um dos equipamentos mais importantes para o atendimento fisioterápico e de reabilitação. Com grande tecnologia, oferece uma visão precisa sobre a atuação muscular, contribui para o diagnóstico e para os tratamentos. Como qualquer recurso tecnológico, entretanto, precisa ser melhorado com o passar do tempo. Nesse cenário, atualizar o eletromiógrafo é indispensável.

Apesar da importância dessa tarefa, muitos profissionais ainda têm dúvidas sobre o procedimento — seja como acontece a etapa, seja o porquê de fazê-la. O fato é que sem essa ação o atendimento pode ser comprometido, o que deve ser evitado.

Para que não restem dúvidas, veja os principais motivos para atualizar o eletromiógrafo e saiba como fazer.

Quando é o momento de fazer a atualização?

Nem todo equipamento precisa de uma nova versão, já que um conjunto de fatores deve ser considerado. Paralelamente, deixar que o aparelho exceda o tempo necessário de upgrade compromete a atuação profissional e a saúde dos pacientes. O ideal é verificar, continuamente, alguns aspectos principais e entre eles estão:

Tempo de uso

Quanto maior é o período de atividade do eletromiógrafo, maiores são o desgaste de seus componentes e a defasagem da tecnologia. Embora o equipamento tenha caráter durável, há um prazo máximo de uso com confiabilidade, segurança e consistência com os recursos atuais.

Em geral, aparelhos com 5 ou mais anos de utilização devem ser atualizados para que entreguem os resultados adequados. Se, durante essa fase, a atividade foi especialmente intensa, torna-se importante realizar o upgrade.

Inatividade

Ao mesmo tempo em que o uso motiva a troca, a falta dele é outro fator que leva à necessidade de atualização. Quando os componentes eletrônicos não são utilizados com frequência, o resultado é que os itens não funcionarão em médio e longo prazo como é o caso das baterias que ficam longos períodos sem serem recarregadas.

A grande quantidade de circuitos eletrônicos e recursos especiais exige que o eletromiógrafo esteja sempre em atividade. Por causa desse elemento, o equipamento que estiver parado há mais de um ano precisa ser atualizado.

Funcionamento

Quando os padrões de conexão estão defasados ou quando componentes não funcionam direito, é chegado o momento de fazer a troca. Isso acontece porque os efeitos não são apresentados conforme deveriam, o que causa dúvidas e dificuldades no atendimento.

Nesse quesito, um fator especial tem que ser considerado: a obsolescência. A tecnologia avança rapidamente e o equipamento passa por transformações diversas. O modo de medir a atividade dos músculos e de apresentar os resultados varia com as novas versões, que tendem a ser mais precisas e eficientes.

Com isso, o eletromiógrafo ainda pode funcionar, mas já está atrasado em relação a tecnologias inéditas. Como estudos demonstram, a gestão de ativos tecnológicos tem que considerar esse aspecto quando uma nova versão supera a anterior.

Aparência

Muitas vezes, o equipamento ainda funciona conforme deveria, mas já apresenta sinais de desgaste. É o que ocorre se o aparelho aparece manchado, riscado, amassado ou com outros aspectos que afetam a sua aparência.

Ainda que ele ofereça os resultados esperados, o visual indica que o uso extensivo já causa alguma modificação no item. Desse modo, é necessário realizar a etapa, antes que o ponto de falha e de troca seja atingido.

Quais são as mudanças geradas ao atualizar o eletromiógrafo?

Atualizar o eletromiógrafo leva a transformações facilmente percebidas. Elas servem para deixá-lo ainda melhor e afetam diretamente a maneira como o uso é realizado. Entre os pontos que são mais impactados, estão:

Sensores

Com o avanço da tecnologia, os sensores conseguem realizar uma captação muito precisa e segura. Os materiais condutores têm melhores propriedades e o armazenamento de informações é favorecido. Como resultado, há maior sensibilidade no funcionamento do equipamento, o que contribui para a sua atuação.

Conexões

Já que os sensores se modificam, as conexões eletrônicas do eletromiógrafo também se transformam. Os pontos de contato com a pele, por exemplo, ficam avançados e ganham especial qualidade. Além disso, a integração entre sensores e demais componentes é favorecida, o que ajuda na transferência segura e na leitura adequada dos dados.

Acessórios

Outra mudança que ocorre ao atualizar o eletromiógrafo é a inclusão de acessórios. A elevação do nível tecnológico permite que outros recursos complementares façam parte, como modos inéditos de apresentação ou leitura de dados e novas funções de atuação. Desse jeito, há máxima versatilidade e excelente desempenho.

Design

A identidade visual é uma parte importante para o atendimento fisioterápico. Ter uma boa decoração de clínica transmite a imagem certa para os pacientes e contribui, até mesmo, com a fidelização. Com a atualização, o design ganha uma cara nova e se apresenta de maneira muito mais consistente com as tendências e os interesses correntes.

Por que é importante mantê-lo atualizado?

Atualizar o eletromiógrafo é necessário, acima de tudo, por causa da segurança em atendimento. Um equipamento sem revisão ou defasado talvez ofereça dados imprecisos ou até incorretos, já que os sensores estão desgastados. Inclusive, o aparelho pode causar acidentes, que afetam a credibilidade do profissional.

Por falar nisso, a atuação na clínica ganha confiança quando um recurso atualizado é empregado. O uso de um item moderno, novo e com grande tecnologia não passa despercebido e gera, até mesmo, aumento da satisfação de atendimento. Como consequência, a fidelização é bem menos complexa.

Outro ponto é em relação aos custos. Um equipamento defasado começa a demandar um volume maior de manutenções, tanto preventivas quanto corretivas. Ao somar tal elemento à depreciação, há um aumento dos gastos. Já com um recurso novo é mais fácil e barato manter a operação conforme o esperado.

Como é feito o processo com a Miotec?

Especialista em apresentar o máximo de tecnologia em seus equipamentos, a Miotec oferece, continuamente, novas versões do eletromiógrafo. Ao adquirir um item com a marca, a etapa acontece segundo um processo estruturado.

Tudo começa com uma avaliação do elemento, que pode sofrer um reparo ou troca de componentes danificados. Há, ainda, uma atualização da identidade visual e de diversos itens, como o gabinete, bateria e conectores.

O que também passa por mudanças são os padrões de segurança, que se tornam adaptados às novas necessidades. Os equipamentos com 2 canais são convertidos para 4 canais disponíveis de forma inteiramente segura.

O grande destaque ao atualizar o eletromiógrafo na Miotec, entretanto, é a renovação da garantia do desempenho do produto. Independentemente da data de fabricação, são concedidos novos 6 meses de proteção quanto ao funcionamento.

Ao atualizar o eletromiógrafo, é possível ter um atendimento mais capacitado e seguro. Como resultado, os pacientes ficarão satisfeitos e a atividade ganhará credibilidade. Com a Miotec, o processo se torna ainda melhor, com garantia estendida de 6 meses.

Entre em contato com a Miotec e tenha mais informações sobre a etapa!

Tecnologia na reabilitação de pacientes: qual sua importância?

Nos últimos anos, os avanços tecnológicos mudaram drasticamente o mundo da fisioterapia. Antes, mesmo com tratamento, muitos pacientes com lesões no sistema nervoso ou ortopédicas não conseguiam atingir um mínimo de independência. Porém, o uso da tecnologia na reabilitação vem possibilitando a melhoraria da qualidade de vida dessas pessoas.

Pacientes lesionados por acidentes, AVC (Acidente Vascular Cerebral) e outras doenças, hoje ganham a chance de reduzir ou eliminar dores, melhorar suas funções, reduzir a atrofia muscular e estimular os nervos. A tecnologia, aliada à fisioterapia, proporciona tratamentos mais interativos, envolventes e que realmente motivam o paciente.

Quer saber como a tecnologia pode ajudar na reabilitação de pacientes? Então confira no post de hoje!

Tecnologia na reabilitação: Tecnologia da Informação

A reabilitação é uma parte essencial do processo de recuperação após danos cerebrais, como aqueles causados por AVC, meningite, paradas cardiorrespiratórias e outras. A tecnologia pode desempenhar um papel importante na recuperação dessas pessoas.

Terapias baseadas em TI podem ajudar pacientes, por exemplo, a recuperar uma parte da sua visão perdida e aproveitar ao máximo a visão que permanece após uma lesão cerebral.

Hoje, a maioria das pessoas tem acesso a um computador, smartphone ou tablet. Numerosos aplicativos úteis e ferramentas on-line estão disponíveis para instalar em seu dispositivo. Eles podem ser úteis tanto para pacientes como para cuidadores e familiares. Eis alguns exemplos de aplicativos:

Conversor de texto em fala

Esse tipo de tecnologia possibilita que o paciente com perda da fala consiga se comunicar. Basicamente funciona com a inserção de texto e conversão do mesmo em voz, automaticamente.

É possível encontrar esse serviço gratuito para baixar no celular e é de fácil utilização. O paciente pode utilizar esse tipo de aplicativo para qualquer finalidade, incluindo usos comerciais.

Aplicativos para afasia

Esses aplicativos ajudam a pacientes com afasia e distúrbios de comunicação, como o autismo, doença de Alzheimer e muitos outros distúrbios que podem afetar a fala. Os usuários podem tirar fotos de várias coisas e anexar palavras ou frases.

Isso os ajuda a transmitir informações básicas diárias àqueles que os rodeiam, como por exemplo:

  • “Estou com fome.”
  • “Preciso ir ao banheiro.”
  • “Quero tomar banho.”
  • “Quero passear.”

Gameterapia

A “Gameterapia” é outro tipo de tecnologia com resultados positivos na reabilitação de pacientes, principalmente as crianças com paralisia cerebral (PC). Esses jogos podem ser utilizados para melhorar os movimentos musculares.

A gameterapia também pode ser utilizada para a melhoria do equilíbrio e mobilidade em pacientes idosos, produzindo resultados mais significativos que a fisioterapia tradicional. Estudos mostram que a gameterapia envolve por mais tempo a atenção dos pacientes, fazendo com que eles gastem mais tempo nas seções.

Segundo pesquisadores, alguns fatores-chave no design dos jogos, incluindo a possibilidade de escolha, recompensas e objetivos, também podem levar a uma maior motivação e engajamento dos pacientes.

Tecnologia na reabilitação: Robótica

A robótica é uma das indústrias mais promissoras para a medicina. Os robôs não só podem ser úteis, mas também salvar vidas e torná-las melhores. Seu potencial na reabilitação parece ser ilimitado.

Suas tecnologias terapêuticas podem combinar exercícios de movimento autodirigidos com feedback de desempenho. Assim, são projetadas para aumentar a amplitude de movimentos, força, resistência e facilitar que o paciente inicie movimentos por conta própria.

Dispositivos de feedback para a coordenação motora

Atualmente, essa área criou e desenvolveu dispositivos de feedback de movimento sem fio e softwares de fisioterapia, dedicados à reabilitação funcional das extremidades superior e inferior. Dados biomecânicos quantitativos permitem a avaliação objetiva e acompanhamento do tratamento fisioterápico.

Órteses para controle de movimento

A robótica proporcionou a criação de órteses mais avançadas. Existem órteses atualmente no mercado que permitem aos pacientes, por exemplo, iniciar e controlar os movimentos de um braço parcialmente paralisado, usando seus próprios sinais musculares através da flexão/extensão do cotovelo e função de agarrar.

Dispositivos para envio de sinais elétricos

Esse tipo de dispositivo é capaz de enviar correntes elétricas aos braços ou pernas de um paciente com perda de movimentos. Ele envia sinalização para contrair e realizar movimentos que, de outra forma, seriam impossíveis.

Viu como a tecnologia na reabilita de paciente hoje faz toda a diferença? Se você quer saber mais sobre o assunto, descubra como a tecnologia pode ser uma aliada do profissional!