Indicadores de desempenho para clínicas: veja 4 que são essenciais

A gestão de estabelecimentos na área de saúde requer mecanismos para verificar a performance das estratégias adotadas. Os indicadores de desempenho para clínicas são alguns desses tópicos essenciais para garantir uma boa administração e alcançar os resultados desejados.

Melhorando a experiência de gestão, eles são cruciais para mensurar, comparar e identificar os principais métodos corporativos, oferecendo dados estatísticos para o desenvolvimento de toda a parte empresarial.

Quer saber quais são os indicadores de desempenho essenciais para alavancar o seu negócio? Acompanhe o nosso texto e fique por dentro!

Indicadores de desempenho: o que são?

Instrumentos de gestão, os indicadores de desempenho funcionam como ferramentas para monitorar e avaliar os serviços que são realizados em uma clínica. Além de registrar as informações, os índices são organizados para tornar mais fácil a visualização de estatísticas, métricas e ações de administração. Confira alguns deles!

1. Qualidade de atendimento

Embora ao se falar de indicadores pensamos em números, alguns tópicos não podem ser medidos pela quantidade. É o caso do atendimento, que precisa ser analisado de acordo com a satisfação do paciente e a eficácia dos tratamentos operados na clínica.

Nessa análise são investigados o tempo de espera, a porcentagem de realização dos processos, a padronização do serviço e a nota que o paciente dá para o estabelecimento.

2. Faturamento mensal

Relevante especialmente para a administração do lugar, os gestores devem estar atentos ao faturamento mensal que é recolhido. Para um efeito de desempenho, precisam ser registrados os resultados para entender quedas e ascensões na renda, equacionados com outros fatores estratégicos.

Aqui devem ser comparados os índices de circulação de pacientes, custos de manutenção da clínica, exames realizados internamente, entre outros.

3. Taxas de permanência

As faltas e cancelamento podem dizer muito aos gestores sobre os métodos administrativos aplicados em uma clínica. Embora estejamos todos sujeitos a eventualidades, os pacientes que não retornam ao médico nem cumprem seus tratamentos, podem estar insatisfeitos com os serviços oferecidos.

Quando a eficácia é comprovada, é natural que o número de atendimentos seja ampliado e que a procura por consultas aumente. Por isso, identificar o tempo de permanência de cada paciente, o período entre sua primeira consulta e retorno é importante para elaborar essa métrica.

4. Produtividade

Para melhorar os processos internos, os índices de produtividade operam diretamente na realização das tarefas, trazendo informações sobre sua eficiência. Trabalham em conjunto com os indicadores de atendimento, cobrindo desde o serviço da recepção até o acompanhamento dos tratamentos.

Neles, são identificados os números de consultas realizadas, quantos pacientes fizeram exames, qual a porcentagem por médico e o tempo médio em cada consulta.

Os indicadores de desempenho para clínicas médicas podem transformar o quadro de serviços, melhorar o atendimento e estipular melhores métodos de gestão. Possuem um efeito amplo, que serve tanto para a parte administrativa quanto para os processos curativos, a um investimento bastante acessível para o número de benefícios que oferece.

Não deixe de acompanhar as novidades em métodos para melhorar a experiência de gestão em sua clínica. Assine agora a newsletter e receba nosso conteúdo diretamente em sua caixa de e-mail!

Aprenda dicas de como lidar com o ego no mercado de trabalho

Ter credibilidade e autoconfiança são características essenciais de um bom profissional. Todos gostam de ser respeitados pelas realizações e contribuições, e ter a sensação de dever cumprido dá mais ânimo para trabalhar cada vez mais e melhor. Mas, mesmo que um elogio ou reconhecimento seja bom, como devemos lidar com o ego no mercado de trabalho?

Existem situações em que pessoas contam vantagens exageradas para chamar mais atenção para si. Esse tipo de gente costuma ter a presença tóxica, impactando o ambiente de maneira negativa.

Neste artigo, separamos algumas dicas para te ajudar a lidar esse tipo de pessoa e promover um ambiente mais leve e colaborativo entre os profissionais. Boa leitura!

Como identificar profissionais egocêntricos

Não é difícil reconhecer indivíduos com o ego inflado no ambiente de trabalho. Normalmente, eles são muito focados em si mesmo, não conseguem ser empáticos e acham que sempre têm a razão. Essas pessoas também costumam se comparar constantemente, enaltecendo as próprias vantagens e diminuindo os outros.

Esses comportamentos atrapalham a convivência com colegas, influenciando negativamente na produtividade e na competitividade saudável entre os especialistas do ramo. É comum encontrar pessoas que ferem o código de ética da profissão, ao fazer marketing inadequado ou se vangloriar de resultados parciais ou inalcançados.

Dicas para lidar com o ego no mercado de trabalho

Quando um profissional egocêntrico é enfrentado, ele fica contrariado, estabelece conflitos, cria inimizades e torna a convivência precária. O ideal é aprender a contornar a situação e evitar problemas mais graves. Veja agora como fazer isso.

Tente se colocar no lugar do outro

Antes de mais nada, é preciso entender a motivação da pessoa. Isso não significa agir de forma semelhante, mas tentar ver sob a mesma perspectiva e compreender as razões do comportamento egocêntrico. Essa atitude torna fácil saber de onde vem e, consequentemente, reduzir o mal-estar.

Seja gentil

Um indivíduo que se coloca à frente de tudo tem o hábito de manipular outras pessoas. Confrontá-la fará com que ela vire o jogo e aponte o outro como errado. O indicado é agir com gentileza, evitar possíveis intrigas e demonstrar, sem arrogância, que ela não é a única com competências e habilidades.

Foque no seu trabalho

Uma característica do egocêntrico é se colocar acima dos colegas e diminuir os outros. Em situações assim, os afetados costumam questionar a própria competência e minimizar as habilidades. Entretanto, é essencial se concentrar no seu desempenho, nas conquistas e no desenvolvimento profissional, além de manter a autoconfiança e a autoestima acima do ego no mercado de trabalho. É difícil, mas o importante é não dar ouvidos.

Seja exemplo de conduta

Enquanto a pessoa está focada nas próprias conquistas, uma atitude muito benéfica é fazer exatamente o contrário com outros colegas de equipe. Estimule o companheirismo, promova um ambiente de colaboração e execute trabalhos em conjunto que contribuem para o crescimento geral da empresa, do setor ou de determinada área do conhecimento. Lembre-se: uma das melhores qualidades de um profissional é a capacidade de trabalhar em equipe.

Não alimente o ego

Por fim, é primordial se policiar para não reforçar o comportamento da pessoa egocêntrica. Muitas vezes, em conversas informais, pequenas expressões são entendidas como elogios e abrem oportunidades para que se aproveitem de pequenas fragilidades. O melhor a fazer é levar a conversa para o lado impessoal ou mesmo encerrar o quanto antes.

Lidar com o ego no mercado de trabalho é só mais um dos muitos desafios que os profissionais têm de enfrentar. Os vários obstáculos exigem mais do que conhecimento técnico: é preciso ter inteligência emocional para encarar problemas com colegas, equilíbrio para evitar a autossabotagem e desenvoltura para enfrentar situações que não podem ser controladas.

Dessa forma, é comum esconder as fraquezas atrás do ego no mercado de trabalho. Embora seja complicado e exija muita energia, cabe aos colegas ter atitudes para manter o ambiente saudável e, ao mesmo tempo, ter paciência. Caberá ao tempo dar consequências ao comportamento e ensinar boas maneiras de convivência.

Agora que você está mais preparado para as situações estressantes no mercado de trabalho, está na hora de ajudar outros colegas. Compartilhe esse texto nas suas redes sociais para promover mais harmonia e colaboração!

8 fatores essenciais ao escolher um imóvel para sua clínica

A organização interna de um empreendimento de saúde deve sempre levar em conta o público a ser atendido. Para muitos profissionais, essa tarefa pode ser bastante simples, afinal, eles costumam conhecer bem o perfil dos seus pacientes.

No entanto, outros aspectos do próprio imóvel, como sua condição e posição na cidade, muitas vezes, são desconsiderados na hora de procurar um imóvel para sua clínica. E, assim como os clientes, eles são determinantes para o crescimento e sucesso do seu negócio.

Pesquise, faça visitas e considere esses 8 fatores essenciais ao escolher imóvel para sua clínica!

1. Escolha um local de fácil acesso

Característica estratégica para a visualização da sua clínica, a localização deve ter um acesso fácil tanto para os clientes quanto para os fornecedores. Dessa forma, deve conter vagas de estacionamento no próprio ponto ou próximo dele. Além disso, considere que muitas pessoas utilizam o transporte público para se locomoverem, logo, é interessante que o imóvel fique próximo de pontos de ônibus ou de estações de metrô.

Para pacientes que vêm de longe, é importante que o local da clínica fique perto de estabelecimentos de apoio, como agências bancárias e restaurantes. Se quiser facilitar a identificação da sua clínica, observe o imóvel a partir da área pública e, assim, saberá se ele fica visível aos transeuntes.

Uma dica para encontrar uma boa localização é optar por pontos ao lado de empreendimentos que exerçam atividades parecidas com o seu negócio, tomando sempre cuidado com a presença de possíveis concorrentes.

2. Avalie o preço antes de escolher um imóvel para a clínica

O preço do imóvel deve ser compatível com a estrutura oferecida, por isso, avalie cada detalhe que possa influenciar o seu negócio. Um exemplo: em um centro comercial, o aluguel costuma ser mais caro, já que no valor podem estar incluídas algumas taxas de serviço — como de limpeza e localização do ponto.

Se tiver dificuldade para fazer a relação custo-benefício, poderá contar com a ajuda de um profissional corretor para executar a vistoria e apontar as dificuldades ou potencialidades do imóvel. Na necessidade de uma reforma para adequar os ambientes ao seu serviço, o custo total de investimento se torna bem mais alto, portanto, converse com o proprietário sobre a possibilidade de um desconto no preço do imóvel.

3. Faça um planejamento de investimento

Afinal, o que faz um imóvel ser caro ou barato? Além das suas qualidades positivas, o investimento disponível também define se a alternativa é interessante ou não. Portanto, é essencial fazer um planejamento de quanto você tem para investir — tanto em curto quanto em médio prazo.

De forma imediata, avalie valores como a caução do aluguel ou a potencial necessidade de reformas. Todos esses gastos acontecem com a assinatura do contrato, então é preciso ter liquidez para oferecer o valor.

Em médio e longo prazo, considere o impacto do aluguel e da manutenção nos seus ganhos. É importante que o aluguel não comprometa muito o faturamento. Do contrário, o imóvel para sua clínica se torna menos atrativo.

4. Estude o espaço

Faça visitas em diferentes horários do dia para observar aspectos como iluminação natural e ventilação do imóvel. O tamanho também é importante, por isso, vale fazer um estudo de layout com a metragem disponível para saber se a capacidade é suficiente para comportar os trabalhos da clínica.

Considere, nesse estudo inicial, a possibilidade de uma ampliação futura para novos serviços e contratação de mais funcionários. Observe também a conservação dos elementos das salas — portas, janelas, fechaduras, puxadores — e anote possíveis defeitos para conversar com o proprietário.

5. Pesquise sobre a vizinhança

Antes de instalar uma clínica em um ponto desconhecido, faça uma pesquisa sobre a cultura dos habitantes da região. Isso dá uma base para saber se os serviços ofertados são compatíveis com o poder aquisitivo da população. Quanto mais próximo da realidade local, mais benefícios você terá com a divulgação boca a boca.

Faça um levantamento de mercado e veja se os pacientes desejados moram ou frequentam a região que será ocupada.

Outro ponto importante é poder contar com a segurança da vizinhança. Portanto, pergunte aos moradores sobre essas características e obtenha informações valiosas para tomar sua decisão.

Ao fazer a visita em várias épocas do dia, aproveite para conferir tais aspectos. Veja se o entorno é barulhento, se as ruas ficam engarrafadas ou se existe algum desconforto para chegar ou sair do lugar. Desse jeito, você pode planejar a melhor experiência para os seus pacientes.

6. Verifique a estrutura

Pensando no conforto e qualidade dos espaços, verifique a eficiência dos serviços de água, luz e esgoto da propriedade, bem como a possibilidade deste receber a instalação de novos equipamentos e redes de internet e telefone.

Veja, ainda, as questões estruturais. Tenha a certeza de que o local não conta com rachaduras, infiltrações ou outros problemas. Tudo tem que funcionar corretamente, pois, do contrário, os gastos são elevados.

Também é essencial garantir a fácil limpeza do lugar. Por isso, ter tudo em perfeitas condições é indispensável para evitar problemas, como em relação à contaminação de espaços.

7. Verifique a documentação

Na parte burocrática, é preciso garantir que o lugar esteja em funcionamento dentro das condições adequadas. Sem a documentação exigida, o imóvel pode ser interditado e o seu negócio interrompido.

Comece verificando se ele está em situação regular. Para maior segurança, solicite o “Habite-se” da construção ao proprietário, já que esse documento atesta que o imóvel foi concebido de acordo com a legislação municipal vigente.

Confira, ainda, questões como a escritura e a habilitação do espaço para ser utilizado como ambiente comercial. Do contrário, você terá dificuldades para obter o alvará de funcionamento que é exigido.

Veja também a existência de outros laudos e certidões, como de tutela e de débitos negativos. Isso ajuda a garantir que tudo está conforme o esperado e que a aprovação será obtida nas avaliações seguintes.

8. Negocie as condições de contrato

Antes de tomar uma decisão, verifique se é viável fazer a negociação de algumas condições específicas. Dependendo do estado do imóvel ou da necessidade de alterações, é preciso contar com descontos para que a escolha valha a pena.

Sobre as reformas, inclusive, veja se é possível fazer mudanças definitivas, como a modificação de layout ou a transformação da fachada. Isso tem que ser previamente acordado, para evitar que seus esforços sejam em vão.

Não se esqueça de considerar outros aspectos, como o tempo de duração do contrato, os índices de reajustes e até as condições para a rescisão. Tudo tem que estar registrado e precisa ser negociado de forma positiva para ambas as partes. Se não for possível, talvez seja mais interessante buscar outra oportunidade.

Prepare-se com antecedência para fazer uma pesquisa ampla de imóveis disponíveis no mercado. Faça um levantamento dos favoritos e compare os benefícios deles. Assim, você garante que todos os fatores sejam bem avaliados na hora de escolher um imóvel para sua clínica.

Além dessa etapa, há outras fases que são essenciais para quem deseja criar o próprio ambiente de atendimento. Por isso, aproveite que está por aqui e confira nossas dicas para montar um consultório! Boa leitura!

 

Absenteísmo em clínicas: Saiba 4 dicas de como evitar este problema

O absenteísmo em clínicas é uma questão muito preocupante, tendo em vista que os profissionais deixam de atender outros pacientes em virtude daqueles que não avisaram que não compareceriam à consulta. Nesse sentido, é importante tomar providências para evitar ou, pelo menos, diminuir essas faltas.

Os motivos que levam os pacientes a se ausentarem são muitos, os quais vão desde esquecimentos à falta de tempo para desmarcar o agendamento. Levando isso em consideração, é importante criar estratégias para fortalecer o relacionamento entre médico e paciente e, com isso, aumentar a presença nas consultas marcadas.

Pensando em ajudar você, listamos, a seguir, 4 dicas eficientes que podem ser colocadas em prática o quanto antes para evitar o absenteísmo em clínicas. Confira!

1. Tenha um canal direto de comunicação com os pacientes

Oferecer ao seu cliente, pelo menos, um canal direto de comunicação é essencial para reduzir o absenteísmo em clínicas. Dessa forma, é importante divulgar o número do WhatsApp — ferramenta mais ágil e comum atualmente — e estar disponível nas redes sociais em que seus pacientes estão presentes.

Essa prática facilitará a comunicação com o paciente. Além disso, a sua secretária pode se programar para entrar em contato com cada um deles, pelo menos, 24 horas antes da consulta, a fim de confirmar a presença.

2. Ofereça um ambiente confortável

Além dos canais de atendimento, é importante oferecer um ambiente confortável aos seus pacientes. Disponibilize assentos confortáveis, acesso ao WiFi, TV e, inclusive, um espaço para servir alguns lanches, chás e café.

Com isso, os pacientes se sentirão mais motivados em comparecer às consultas e a desculpa de se ausentar pelo fato de estar cansado já não será mais problema, pois ele terá um ambiente confortável para aguardar o seu atendimento.

3. Invista em tecnologias

O uso da tecnologia tem auxiliado diversos segmentos do mercado e, na área da saúde, não é diferente. Por meio de softwares, é possível realizar agendamento das consultas online, sem precisar entrar em contato com a clínica. Além disso, esses sistemas também disponibilizam um prontuário eletrônico, no qual o médico consegue ter acesso a todo o histórico do paciente de maneira rápida e eficiente.

Ademais, os equipamentos utilizados nos tratamentos dos pacientes também têm evoluído muito e quem investe nesse tipo de tecnologia conquista a confiança do paciente. Com isso, ele se sentirá mais tranquilo ao realizar os procedimentos necessários sabendo que aqueles equipamentos ajudarão na sua recuperação.

4. Aprenda com as críticas e reclamações

Nem sempre ouvir as críticas e reclamações é uma tarefa fácil. No entanto, é necessária. Isso porque, muitas vezes, o absenteísmo em clínicas pode estar ligado ao mau atendimento, por exemplo.

Sendo assim, identificar esse tipo de falha é fundamental para garantir que o paciente retornará e ficará satisfeito com os resultados entregues. Portanto, ouça com atenção o que ele tem a dizer: esses feedbacks podem ajudá-lo a ter uma visão mais inovadora da sua clínica.

O absenteísmo em clínicas é algo que precisa ser evitado ao máximo e, para isso, é preciso colocar em prática as nossas dicas. Dessa forma, seu paciente perceberá que você trabalha com o objetivo de cuidar do bem-estar dele e, consequentemente, fortalecerá a relação entre vocês.

Ficou com alguma dúvida ou quer compartilhar suas experiências? Deixe tudo nos comentários! Vamos ajudá-lo no que for necessário.

 

Prontuário eletrônico: 5 vantagens da utilização do recurso na área da fisioterapia

Utilizar a tecnologia é uma forma de materializar o avanço médico, que se trata de uma transformação indispensável — e inevitável — nos dias atuais. Afinal, todo profissional do setor deseja aperfeiçoar sua atuação e atender melhor seus pacientes.

Os registros que antes eram feitos de forma escrita e repletos de erros, hoje já não existem mais. O prontuário eletrônico é um ótimo exemplo disso. Como ele traz uma documentação obrigatória, deve ser totalmente íntegro e assertivo.

Já incorporado também à fisioterapia, seus benefícios são substanciais. E, para conhecê-los, continue a leitura desse artigo!

1. Economia de tempo

Assim como em qualquer setor de atuação, a área médica procura também economizar tempo e dinheiro para fornecer um atendimento aprimorado aos pacientes. O prontuário eletrônico é uma excelente opção para quem quer eliminar a burocracia dos papéis, que exigem arquivamento e desarquivamento constantes.

Assim, quando os dados de um paciente forem solicitados, isso poderá ser feito em instantes. O tempo gasto na procura passa a ser inexistente, e o tempo de espera daquele paciente também cai drasticamente.

2. Prescrição mais segura

Alergias e reações medicamentosas são uma ameaça constante à saúde de um paciente. O prontuário eletrônico entra em cena mais uma vez para diminuir esse tipo de risco, já que os fisioterapeutas recebem alerta quando uma receita não é adequada para aquela pessoa.

Com as observações listadas, eles podem comparar a medicação prescrita e perceber se alguma complicação está implícita no uso. Esse mesmo alerta acontece quando o paciente apresenta alergia a substâncias, para que a situação seja controlada o quanto antes.

3. Facilidade de comunicação

O prontuário eletrônico também é uma ferramenta que facilita a comunicação entre todos os setores da clínica. Com ele, a recepção interage com a área de faturamento, e o próprio consultório passa a ter muito mais precisão de informações e dados.

O recurso também permite o envio de mensagens para pacientes em datas específicas, através de e-mail ou SMS. Ou seja, em aniversários, datas comemorativas, ou quando houver algum comunicado especial, é possível estabelecer esse contato mais imediato.

4. Mobilidade e agilidade

O prontuário eletrônico integra um sistema em nuvem, e o profissional consegue acessá-lo a qualquer momento e de qualquer lugar, com a ajuda de dispositivos como smartphones e tablets. Além disso, não é preciso se preocupar com processos de manutenção e instalação, o que traz muito mais mobilidade para a ferramenta.

O fisioterapeuta pode, então, realizar monitoramento de casa, de outra unidade de saúde ou até mesmo se estiver em viagem. Isso traz muito mais agilidade e segurança para os cuidados emergenciais, pois, caso uma orientação seja passada por telefone, será totalmente assertiva por ter base em dados reais.

5. Redução de erros

Como envolve pouca ação humana, é fato que o prontuário eletrônico reduz significativamente erros e falhas processuais. Os profissionais não precisam lidar com dificuldades de legibilidade do que foi anotado e nem lidar com registros duplos, o que atrasa bastante o trabalho.

Sendo assim, o recurso se mostra uma excelente forma de melhorar a precisão de diagnósticos, tratamentos e demais intervenções médicas. O desempenho do fisioterapeuta aumenta, e a assistência que ele dá a seus pacientes passa a ser muito mais satisfatória.

E então, essas informações sobre as vantagens do prontuário eletrônico na fisioterapia foram úteis para você? Se sim, não perca tempo e assine agora mesmo a nossa newsletter para receber outros conteúdos como este!

Incontinência fecal: o que é e como tratar?

A incontinência fecal pode afetar pessoas de todas as idades, embora acometa em grande parte as de idade mais avançada. Muito mais comum do que se imagina, ela traz muito constrangimento, afetando a autoestima, a confiança e o comportamento social.

O tratamento é essencial para melhorar a qualidade de vida dos pacientes, oferecendo meios de resolver a incontinência fecal de forma a recuperar as funções saudáveis do organismo.

Por isso, neste post, vamos mostrar o que é a incontinência fecal, suas causas e os principais tratamentos para esse problema de saúde. Continue a leitura e fique por dentro do assunto!

O que é a incontinência fecal?

Em termos clínicos, a incontinência fecal é definida pela perda involuntária ou quando o indivíduo não possui capacidade de controlar a eliminação, pelo canal anal, de gases ou fezes.

A falta de controle pode ser relacionada desde a pequenas quantidades de gás até ao escapamento de líquidos. Aos primeiros sintomas, é indicado procurar um médico proctologista, que será capaz de identificar as razões do problema e tratá-lo antes que ele se intensifique.

Quais são as principais causas da incontinência fecal? 

Na maioria dos casos, trata-se de um distúrbio da musculatura que surge associado a algum outro fator, como parto, traumas ou doenças que comprometam direta ou indiretamente o sistema anorretal. Fatores neurológicos também podem ocasionar a incontinência, por exemplo, quando há a degeneração de algum nervo ou mutação sistêmica, como no caso de diabéticos.

A inflamação da mucosa real também é capaz de alterar a sensibilidade da área, minimizando a habilidade do reto de reter substâncias e, consequentemente, aumentando a urgência por evacuação. Outros fatores, como cirurgias e medicamentos, podem alterar a velocidade intestinal.

Em crianças muito pequenas, é possível que o funcionamento do esfíncter seja comprometido por fatores ligados ao desenvolvimento. Estresse, causas psicológicas, medos e angústias, por exemplo, são responsáveis por essa alteração.

Como pode ser feito o diagnóstico?

O exame proctológico pode definir as alterações presentes na musculatura, assim como a avaliação complementar do cólon. Este deve ser feito pelo médico especialista, o coloproctologista. 

Exames de imagem, como a ressonância ou a ultrassonografia do canal anal, também identificam o problema, determinando o grau de enfraquecimento da musculatura e indicando o melhor tratamento.

Quais os principais tratamentos disponíveis?

Inicialmente, a recuperação da musculatura anal é condicionada a modificações no trato alimentar, assim como às medicações que o paciente utiliza. São bastante indicados procedimentos que exercitem o recondicionamento do controle anal, como o biofeedback e a eletromiografia, que geralmente oferecem bons resultados.

Nos casos mais graves, pode ser realizado o tratamento cirúrgico de correção ou reforço da musculatura, que deve ser indicada e realizada por um cirurgião coloproctologista.

Milhões de pessoas com problemas intestinais podem sofrer de incontinência fecal. Entretanto, o incômodo social causado por quem possui a doença pode levar à demora para procurar ajuda.  Quando diagnosticada precocemente e com os tratamentos certos, fica muito fácil controlar a incontinência fecal e, assim, devolver qualidade de vida e bem-estar ao paciente.

Gostou deste post? Quer ficar por dentro das novidades e tendências da saúde? Siga-nos no Facebook, no Twitter e no Instagram e acompanhe todos os nossos conteúdos!

Robótica na Medicina: quais as principais inovações da área?

As principais inovações de robótica na Medicina estão transformando as consultas e tratamentos médicos. Antes restrita a consultas e avaliações laboratoriais, a tecnologia vem sendo aliada a processos e diagnósticos, otimizando resultados para todas as áreas.

Muito além do prontuário eletrônico, a robótica vem sendo implementada para solucionar desde procedimentos simples até o monitoramento de sinais vitais, com grande confiabilidade. Os dados colhidos servem para diminuir os riscos, identificar possíveis desenvolvimentos de doenças e melhorar os processos cirúrgicos e diagnósticos.

A Medicina do futuro alia o conhecimento técnico com o desenvolvimento humano, gerando uma relação mais companheira entre médico e paciente. Ela auxilia nas pesquisas que tratam das doenças infecciosas, contágios e riscos de acordo com a faixa etária e pode servir para indicar tratamentos para rejuvenescimento, terapias e nutrição.

Confira, neste texto, os principais usos das novas tecnologias na área de saúde.

Uso de inteligência artificial

Simulando algumas atividades humanas, a inteligência artificial é conectada a dispositivos, de modo a desempenharem processos de diagnóstico, estatísticas e resolvendo problemas. Armazenando um banco de dados de pacientes reais, ela cruza resultados, fazendo cálculos que apontam informações com precisão.

A IA é utilizada para transmitir exames via telemedicina e também para fazer triagens e análises antes de atendimentos. Tais ferramentas podem ser usadas em tratamentos contra câncer, por exemplo, e melhorar o atendimento nos centros médicos de pronto atendimento.

Robótica na Medicina: monitoramento em tempo real

Os pacientes que precisam de acompanhamento frequente monitoram as funções coletando os dados de modo contínuo. A robótica auxilia a obtenção dessas informações por meio de tecnologia. Assim, consegue reunir, armazenar ou mesmo enviar os dados para outras pessoas, como médicos e acompanhantes.

Podem ser medidos o nível de oxigenação, de glicose, da pressão arterial ou dos batimentos cardíacos. A captação das informações é feita por aparelhos que podem ser conectados a smartphones, tablets e outros dispositivos eletrônicos, acessados a partir de um simples aplicativo.

Acesso ao banco de dados integrados

Integrando vários dispositivos ligados desde o diagnóstico até o monitoramento de recuperação, os bancos de dados podem ser compartilhados, acompanhando cada mudança em tempo real.

Conectados a aparelhos analógicos e também aos de última geração, os dados podem ser reunidos em uma plataforma única, com uma interface que indicará os resultados. Também podem ser programados alarmes para medicamentos ou realização de exames periódicos.

Realização de cirurgias menos invasivas

Certamente um dos tópicos mais interessantes do uso da robótica na Medicina se dá pelo seu uso cirúrgico. Gerando robôs que trabalham com bastante precisão e menor invasão, a tecnologia colabora para um procedimento de maior segurança.

Os robôs acessam áreas de modo mais controlado, enviando informações o tempo inteiro para o médico cirurgião. Sendo menos agressiva para o corpo, a robótica auxilia na recuperação e no sucesso dos procedimentos.

Embora a robótica na Medicina seja vista como uma contribuição somente no modo evolutivo, ela faz com que a relação entre médico e paciente se torne mais confiante e humanizada. Retirando os processos burocráticos dos profissionais, eles podem se dedicar com mais cuidado ao tratamento e ao acompanhamento dentro de consultórios e cirurgias.

Gostou das inovações? Então não deixe de conferir como a tecnologia pode contribuir com a reabilitação de pacientes.

Como usar a fisioterapia para a saúde da mulher? Saiba mais!

A fisioterapia para saúde da mulher pode beneficiar você em diversos sentidos, pois essa é uma área bem ampla e oferece diversas possibilidades aos profissionais. Nesse momento, você pode aproveitar a evolução da tecnologia para promover o bem-estar de seus pacientes com mais eficiência.

O organismo das mulheres sofre uma constante transformação e, assim, vários problemas de saúde podem afetá-las ao longo de suas vidas e, por isso, elas precisam recorrer a especialistas para eliminar, de uma vez por todas, esses problemas.

Sendo assim, resolvemos escrever este artigo para mostrar a você 3 áreas da fisioterapia voltadas para a saúde da mulher para informá-lo melhor sobre o assunto. Acompanhe!

Fisioterapia para gestantes

Durante a gravidez, a realização de atividades de impacto são extremamente contraindicadas. No entanto, alguns exercícios fisioterápicos leves podem ser indicados para ajudar a gestante a reduzir os riscos. Além disso, hoje em dia existem dispositivos que permitem o aumento da consciência e flexibilidade da musculatura do assoalho pélvico na preparação para o parto.

Nesse momento, fisioterapia pode ajudar até em alguns casos de gravidez de alto risco, pois ela diminui as chances do desenvolvimento de trombose e, também, alivia os efeitos fisiológicos, garantindo a estabilidade do fluxo sanguíneo no útero.

No geral, a fisioterapia ajudará a gestante a ter consciência de suas limitações e potencial e, assim, ela contribui para a diminuição do estresse — um dos grandes vilões da gestação. Além de tudo isso, os inchaços serão diminuídos, assim como os desconfortos e dores.

Mas não pense que os benefícios se estendem apenas à gestação. O pós-parto também pode ser beneficiado com a fisioterapia, pois ela ajudará a diminuir as dores e auxiliará no combate à depressão pós-parto. Ademais, também vai auxiliar na prevenção de disfunções pélvicas.

Fisioterapia para melhorar a vida sexual

A sexualidade é cercada de tabus, os quais podem agravar os problemas de disfunções sexuais. Algumas mulheres, por exemplo, têm dificuldade em atingir o orgasmo, muitas vezes, sentem dores na hora da relação sexual e, com isso, a dificuldade de lubrificação aumenta e a libido também.

Nesse momento, a fisioterapia pode se tornar uma grande aliada da mulher, pois ela ajudará a reeducar o assoalho pélvico, ajudando a paciente a entender como funciona a sua linguagem corporal, harmonizando a função erótica de ambos, aumentando, assim, o prazer e rendimento sexual.

Além disso, a fisioterapia ajuda a combater a dor pélvica crônica, uma doença muito séria que interfere na vida social, conjugal e profissional das mulheres. Nesse momento, o fisioterapeuta indicará exercícios que minimizarão as dores por meio da elevação da liberação de endorfinas, os quais auxiliarão a musculatura da pele a relaxar, a lidar com a dor e restaurar as funções desejadas pela paciente.

Fisioterapia para saúde da mulher na uroginecologia

A incontinência fecal e urinária compromete a qualidade de vida de todas as pessoas, no entanto, ela costuma se manifestar mais em mulheres do que em homens. No tratamento da incontinência fecal e urinária, a fisioterapia contribui para fortalecer o assoalho pélvico por meio de exercícios associados a alguns recursos, como o biofeedback e eletroestimulação.

A fisioterapia para saúde da mulher melhora a qualidade de vida e, assim, proporcionam um maior bem-estar, diminuindo os quadros de depressão, estresse e ansiedade pelo fato de não poder realizar algumas atividades básicas.

Nosso artigo foi útil para você? Então, não deixe de compartilhá-lo nas redes sociais e ajudar seus amigos a entenderem melhor sobre o assunto!

Instagram para fisioterapeutas: 5 dicas valiosas de como usar a plataforma

O profissional que não está presente na internet hoje em dia, desperdiça a oportunidade de ter seu trabalho conhecido por uma infinidade de pessoas. O Instagram, por sua vez, é uma das redes sociais que mais cresce no mundo e, através do engajamento que ela propicia com seus seguidores, é uma das mais efetivas plataformas sociais na conversão de fãs em pacientes.

Hoje, 90% dos meus pacientes no consultório são provenientes da internet e nesse artigo eu vou te contar 5 dicas valiosas sobre o Instagram. Todas essas dicas funcionaram comigo e eu as utilizo na minha prática profissional.

1. O instagram precisa de alicerces!

Assim como um prédio, o seu perfil profissional precisa de alicerces que possam estruturar o seu Instagram. Em outras palavras, você precisa responder algumas perguntas sobre o que você quer projetar no seu perfil e isso te ajudará a crescer!

Primeira pergunta: qual o seu objetivo no instagram? Você quer um número maior de seguidores, ou você quer mais engajamento? O seu perfil é para que os seus pacientes, ou para outros fisioterapeutas? São questionamentos importantes, pois, por exemplo, se você atende em uma cidade pequena, não tem porque achar que só terá sucesso quando tiver 100mil seguidores, se você foca em pacientes, não tem porque falar linguagem acadêmica.

Segunda pergunta: é possível atingir esse objetivo no instagram? Essa pergunta é importante, pois muitos de nós atendem públicos que não são usuários da plataforma, como por exemplo os idosos. Nesse caso, ou você direciona o seu conteúdo para os familiares desses pacientes, que são mais jovens, ou você muda de estratégia.

A terceira, e mais importante pergunta: por que alguém me seguiria? Em geral, as pessoas seguem profissionais da saúde pelo conteúdo que nós, detentores do conhecimento, fornecemos de forma leiga. Então, encontre qual o motivo que vai fazer com que as pessoas se encantem pelo seu perfil e invista nisso!

2. Cuide do seu cartão de visita – BIO e Destaques

Sabe aquela expressão “a primeira impressão é a que fica”? Ela é bem verdade. A primeira coisa que as pessoas veem ao entrar em contato com o seu perfil é a sua BIO – espaço de descrição do seu perfil – e os destaques – espaço com stories que você determinar.

Por isso, uma dica para fazer as pessoas se identificarem com o seu perfil já na primeira impressão é falar “humanês”. Isso mesmo, se esforçar para escrever uma descrição que qualquer pessoa entenderia, não apenas seus colegas fisioterapeutas.

Já foi constatado que as pessoas se conectam muito mais com outras pessoas do que com negócios, então tente falar uma linguagem que não seja tão profissional, para aproximar os seguidores da pessoa que você realmente é.

Como há pouco espaço na BIO, vá direto ao ponto. Explique o que você é, a sua cidade, alguma indicações. Como o número de caracteres é pequeno, não coloque todas as suas especializações ou coisas como o seu signo, as pessoas querem saber um motivo para segui-lo.

Colocar vídeos em destaques, é uma grande oportunidade de você demonstrar autoridade no assunto que você domina. Fale sobre algum conteúdo de forma leiga, mas que através da educação do paciente você já estará contribuindo muito para ele!

3. Saiba que conteúdo postar

As pessoas são egoístas, elas seguem os outros querendo algo em troca! E você provavelmente vai retribuí-las com muito conteúdo sobre o que domina. Quando você não tem ideias do que postar, uma dica é utilizar sacadas que você tem no consultório. Aquela pergunta que um paciente te fez, alguma orientação geral que você deu.

Mas cuidado: conteúdo que envolva promoção da saúde, você pode sim promover no seu perfil, mas não pode fornecer nenhuma orientação individualizada, pois isso caracteriza consulta e o nosso conselho considera isso como antiético com a profissão.

É importante que você tenha frequência, não ficar postando uma vez a cada 15 dias. Quanto maior a frequência, maior o contato que os seus seguidores vão ter com você e isso facilita que eles amadureçam a ideia em te contratar como fisioterapeuta!

Postar conteúdo da saúde é muito interessante, pois prova para a sua audiência que você sabe o que está falando. Isso, além de aumentar a sua credibilidade, também favorece que você se torne uma autoridade no assunto a medida que você cresce.

4. Gere (muito) engajamento

Engajamento é a chave de um perfil profissional de sucesso. Lembra que eu falei que as pessoas se conectam mais com pessoas do que com negócios? Por isso, para gerar engajamento, grave vídeos com o seu rosto, mostrando para as pessoas o profissional que está por trás desse perfil.

Mostre que você não é inacessível, pedindo para as pessoas comentarem nos seus posts, te enviarem directs. Outra forma bem fácil de iniciar uma geração de engajamento são as enquetes, que mostra para as pessoas que você está querendo a opinião delas também.

Tudo isso aciona um gatilho mental da reciprocidade, pois quando você se coloca a disposição, mostra a importância da opinião do outro, responde uma pergunta, as pessoas se tornam gratas a você e vão querer retribuir de alguma forma. Pode ser em agendamento, pode ser falando bem de você, chamando novos amigos para te seguirem, etc.

5. A novidade do momento – IGTV – e a geração de autoridade

Os vídeos são formas de gerar conexão com as pessoas, de demonstrar seu conhecimento e, através disso, se tornar uma autoridade no assunto para as pessoas que te seguem. O IGTV é uma inovação que foi lançada há poucas semanas no Instagram e é bem promissora.

Lá no IGTV você pode postar vídeos mais longos e que ficam armazenados num feed como o que você tem no seu perfil. Além disso, ele permite que você faça links do stories diretamente para lá, o que facilita que as pessoas estejam rapidamente em contato com seus vídeos.

O IGTV é uma grande aposta minha e de vários profissionais que atuam com o Instagram. Quem se inserir nesse início, irá aproveitar o grande tráfego orgânico (aquele que não precisamos pagar), uma vez que ainda há pouca gente lá.

Gostou dessas dicas? Então coloca elas em prática! Aproveite para conhecer mais sobre o curso Fisioterapeuta SMART onde eu ensino o método passo a passo para atrair mais pacientes utilizando o Marketing Digital. E se quiser compartilhar a sua opinião comigo aqui nos comentários, vou adorar saber!

Inscreva-se já no 3º Workshop Fisioterapeuta Smart GRATUITO, que ocorrerá de 01 a 08 de abril!

Concorrência na fisioterapia: pare de ver seu concorrente como seu inimigo

Uma das grandes preocupações dos fisioterapeutas é a falta de pacientes. É instintivo que os profissionais autônomos, que necessitam de pacientes de forma recorrente, queiram proteger o mercado.

Mas vou te contar uma coisa: não é enxergando o seu concorrente como alguém que irá competir pelos mesmos pacientes que você que essa preocupação vai sumir. Faz sentido, mas não é a melhor estratégia, já que existem formas mais eficazes de se atrair pacientes, inclusive fazendo parcerias com os seus colegas!

Nesse artigo, vamos conversar se precisamos mesmo nos preocupar com escassez de pacientes, como podemos crescer sendo parceiros dos nossos concorrentes.

Mas tem paciente para todo mundo?

A cada ano, centenas de novos fisioterapeutas entram no mercado de trabalho que parece sim estar cada vez mais saturado. Porém, tenho segurança em dizer que tem paciente para todo mundo sim. O motivo dessa afirmação é que a maioria dos pacientes que poderiam se beneficiar com o nosso trabalho ainda não sabe que precisa da gente.

Vou exemplificar: na fisioterapia pélvica, muitas mulheres não sabem que perder urina não é normal, muito menos que o tratamento é fisioterapeutico. Na ortopedia, quantas pessoas convivem com dores lombares crônicas e, mesmo sendo padrão-ouro o tratamento conservador, não recorrem ao fisioterapeuta. Na neuropediatria, quantas crianças têm atrasos no desenvolvimento e desconhecem o impacto disso e os benefícios da estimulação fisioterapêutica?

Logo, quem rouba os nossos pacientes não são os concorrentes, mas a desinformação da população sobre a excelência da fisioterapia.

Veja a aula ao vivo sobre esse assunto:

Como ser parceiro do seu concorrente pode te fazer crescer?

Vamos supor que todos os pacientes da sua especialidade sejam representados por uma pizza e que você tenha no seu consultório uma fatia dessa pizza – ou seja, uma parcela desses pacientes. Para aumentar o número de pacientes, ou você toma a fatia que é de outro fisioterapeuta, ou aumenta o tamanho de toda a pizza.

Para aumentarmos o tamanho dessa pizza e mostrarmos para os pacientes que eles irão se beneficiar com nossos tratamentos, temos que informar a população, mostrarmos nosso valor, sensibilizarmos outros profissionais da saúde, entre outras ações. O pulo do gato aqui é que fica muito mais fácil fazermos isso em parceria, como grupo, do que cada fisioterapeuta separado.

É assim que as praças de alimentação funcionam. Os restaurantes são concorrentes, teoricamente competem pelos mesmos clientes. Mas ao se unirem num mesmo lugar, atraem muito mais clientes para consumirem lá. E seria muito difícil cada restaurante separadamente conseguir tamanha demanda.

E o que não vai te fazer crescer!

Difamar o colega, em hipótese alguma, contribui para o seu crescimento. Com certeza você já teve em seu consultório algum paciente que já havia iniciado tratamento com outro fisioterapeuta, e que muitas vezes se queixa dele para você. Ou então, que ao te contar o que fazia anteriormente com o outro profissional, você discorda das condutas dele.

Agora pensa comigo: falar mal do seu colega, mesmo discordando dele, vai mudar o passado? Vai te beneficiar em algo? Não, pelo contrário. Além de você estar agindo sem ética, você está abrindo a brecha para que esse paciente (e todas as outras pessoas com quem ele conversar) se questione quanto à resolutividade dos fisioterapeutas.

E sabe quem se queima quando a fisioterapia deixa de funcionar? Todos os profissionais que trabalham com ela. É a mesma coisa que fazer a pizza encolher, o que também diminui a sua fatia.

Discordou da conduta do colega? Fale diretamente com ele. Questione-o e demonstre diretamente sua preocupação. Se tem algo que devemos respeitar é a conduta profissional de cada fisioterapeuta. Se algo nos incomoda, podemos questionar o colega, mas vai contra o nosso código de ética difamar o profissional.

A importância de se diferenciar

Agora que te convenci que todo mundo se beneficia quando se apoia e não se prejudica, que não vai faltar pacientes e que já sabemos que devemos aumentar o número de interessados pelo nosso serviço através da informação e da sensibilização das pessoas quanto à fisioterapia, quero te dar uma última dica.

Cada paciente tem suas características, assim como cada profissional tem as suas. O seu perfil de atuação agradará alguns, assim como outros pacientes irão preferir outros profissionais. Por isso, é importante se diferenciar e atuar dentro da sua autenticidade e do que para você é o melhor atendimento possível.

Se por acaso um paciente te trocou pelo colega, a culpa pode não ser do seu atendimento ser ineficaz, mas porque o seu estilo de trabalho não se adeque ao estilo do paciente. E tá tudo bem, que bom que existem profissionais que se encaixem nesse perfil. Já você, siga atraindo pacientes que vejam valor no que você tem a oferecer e se encantem por isso. Assim, todo mundo cresce e, principalmente, a fisioterapia se fortalece como um todo.

Gostou deste assunto? Inscreva-se no nosso canal do Youtube! para acessar mais conteúdos como esse!