Conecte-se

    [/vt_socials]
    Conheça as 7 principais bases de dados em saúde

    Conheça as 7 principais bases de dados em saúde

    Entenda a importância das bases de dados em saúde e quais são as principais fontes de pesquisa que podem contribuir com o seu crescimento pessoal e profissional

    Para quem é recém-formado ou já concluiu a graduação há algum tempo, uma das formas de se manter em sintonia com as novidades do mercado é recorrer a boas fontes de estudo online. A facilidade de acesso à informação na era digital permite aprimorar conhecimentos, acompanhar avanços científicos e adquirir novas habilidades.

    No entanto, é preciso buscar sites confiáveis, que tenham autoridade sobre o conteúdo e respaldo na autoria. Por isso, o artigo de hoje do blog da Miotec lista as 7 principais bases de dados para pesquisa em saúde.

    Primeiramente, vamos falar sobre a importância desses portais para o aprimoramento profissional e para o acompanhamento das tendências e mudanças na área da reabilitação. Em seguida, vamos listar as bases de dados e falar de suas principais características. 

    Faça uma boa leitura e tenha um ótimo aprendizado!

    Entenda a importância das bases de dados em saúde

    A área da saúde é uma das que mais exige aprimoramento constante desde a conclusão da graduação, especialmente quando se atua no setor da reabilitação.

    Para ser reconhecido como uma referência tanto por seus pacientes quanto pelos colegas, o profissional deve investir na ampliação dos conhecimentos teóricos e práticos, acompanhando a evolução do mercado e o surgimento de novas tecnologias ou tratamentos.

    Nesse sentido, as bases de dados em saúde são uma ferramenta de extrema importância para a formação continuada de maneira online. Trata-se de um recurso disponível 24 horas por dia, que pode ser acessado gratuitamente de qualquer lugar — basta ter acesso à internet.

    Entretanto, é preciso buscar portais de reputação comprovada, que ofereçam conteúdo qualificado e relevante, produzido por pesquisadores cuja produção científica contribui, ao longo dos anos, para o fortalecimento do ramo da reabilitação e da área de saúde de forma geral.

    Portanto, conheça a seguir as 7 principais bases de dados em saúde e saiba onde encontrar informações seguras e atuais, que podem contribuir com o seu crescimento pessoal e profissional. Confira agora!

    1. Portal de periódicos da Capes

    A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) é um órgão do governo federal, vinculado ao Ministério de Educação (MEC), destinado ao fomento dos cursos de mestrado e doutorado em todo o país.

    O portal de periódicos da Capes é uma biblioteca virtual que reúne mais de 50 mil títulos da produção científica e 455 bases de dados de conteúdos, com destaque para os jornais e revistas periódicos nos mais diversos setores da saúde.

    A plataforma — como você pode conferir ao primeiro acesso — é destinada às instituições que possuem convênio com a Capes. A verificação é feita pelo IP do computador que acessa o portal, o que restringe a busca de periódicos a essas universidades. A maioria das universidades federais e institutos de saúde públicos contam com essa parceria.

    No entanto, mesmo que você não esteja estudando ou trabalhando em uma instituição conveniada à Capes, você ainda pode fazer uso do portal. Ele realiza uma busca por termo e área do conhecimento, entre os periódicos incluídos no motor de busca. 

    2. Medical Literature Analysis and Retrieval System Online (Medline)

    Medline é a sigla para o termo em inglês Medical Literature Analysis and Retrieval System Online, que significa Sistema Online de Busca e Análise de Literatura Médica. Trata-se de uma base de dados em saúde que concentra o acervo da Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos, a National Library of Medicine (NLM).

    Estão disponíveis para pesquisa mais de 33,9 milhões de textos produzidos nos EUA e em outros 70 países, abrangendo o estudo e pesquisa em medicina, fisioterapia, biomedicina e outras áreas do conhecimento.

    Sem dúvida, o principal motor de busca de livre acesso à base de dados da Medline é a PubMed. Para entender melhor, essa é uma ferramenta simples e poderosa: basta procurar pela palavra-chave desejada, no canto superior da tela, e verificar os resultados disponíveis.

    Na guia “Advanced” você também consegue acessar a busca avançada da plataforma. Ela permite filtrar os resultados por autor, livro, periódico e combinar palavras-chave essenciais da pesquisa. Além disso, o campo “MeSH” permite que você localize palavras-chave similares, o que torna a pesquisa muito mais completa.

    O fato de a Medline estar atrelada a revistas de alto impacto científico e a órgãos do governo americano faz dela uma autoridade na busca de periódicos. Por isso, ela é possivelmente a melhor maneira de iniciar uma pesquisa ou uma revisão da literatura.

    3. Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (Lilacs)

    A Lilacs pode ser definida como a biblioteca virtual do Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde, popularmente chamado de Bireme (Biblioteca Regional de Medicina). 

    O acervo disponível na plataforma é construído de forma colaborativa, por meio de uma plataforma do Bireme, e reúne toda a literatura acadêmica da área da saúde produzida por pesquisadores latino-americanos desde 1982.

    São teses, livros, anais de congressos ou conferências, artigos, publicações governamentais e relatórios técnico-científicos que totalizam mais de 750 mil registros. Destes, mais de 350 mil têm acesso aberto. Ou seja, disponíveis na íntegra, para qualquer internauta que queira consultar o conteúdo.

    A vantagem da Lilacs em relação aos demais é a disponibilidade de artigos em português e espanhol. Além disso, grandes bases de dados como a PubMed são rigorosos com os periódicos indexados: é necessário que os artigos apresentem relevância internacional e valor estatístico considerável para serem incluídos na Medline.

    Com a Lilacs as exigências são um pouco menores. No entanto, isso não tira a credibilidade do banco de dados. Alguns artigos, por se tratarem de temas locais ou prevalentes nos países latino-americanos, são mais relevantes internamente do que externamente. Daí, a necessidade de um banco de dados focado no público nacional e em países vizinhos.

    4. Physiotherapy Evidence Database (PEDro)

    PEDro é uma base de dados de evidências voltadas especialmente para a área de fisioterapia, com ensaios randomizados, diretrizes de prática clínica e revisões sistemáticas. Criada há 24 anos, a plataforma tem mais de 60 mil estudos científicos, com acesso livre e gratuito, facilitando o uso por profissionais, alunos da área e pesquisadores. 

    A plataforma é essencial para profissionais de fisioterapia que buscam embasar suas práticas em evidências sólidas e confiáveis. Seu vasto acervo de estudos é constantemente atualizado, proporcionando acesso a informações de alta qualidade. 

    Essa base de dados não apenas reúne uma quantidade significativa de estudos, mas também oferece ferramentas de avaliação de qualidade metodológica, auxiliando os usuários na interpretação crítica das pesquisas. 

    A PEDro inclui artigos de todo o mundo e está disponível em cinco idiomas. Para acessá-la em português e saber mais, basta clicar aqui.

    Você pode se interessar também: Veja os principais eventos de fisioterapia para 2024 e programe-se!

    5. Banco de dados Scopus

    Lançada em 2004 pela empresa global de análise de informações Elsevier, a Scopus é considerada uma das maiores bases de dados de resumos e citações de literatura revisada por pares. Com mais de 93 milhões de registros, a plataforma é uma ferramenta poderosa para pesquisadores, instituições acadêmicas e profissionais da saúde.

    A Scopus não se limita apenas a fornecer uma vasta quantidade de informações; ela também oferece ferramentas analíticas robustas. Essas ferramentas possibilitam que os pesquisadores identifiquem tendências emergentes, entendam o impacto de determinados trabalhos e encontrem conexões entre diferentes campos. 

    Com seu alcance global e atualizações frequentes, essa base de dados se posiciona como uma peça fundamental na busca por evidências e informações que impulsionam a inovação e o avanço na área da saúde. Acesse a plataforma clicando aqui.

    6. Biblioteca Cochrane

    A Biblioteca Cochrane é uma fonte renomada e influente de informações em saúde, especialmente no campo da medicina baseada em evidências. 

    Fundada em 1993, ela é mantida pela Colaboração Cochrane, uma rede global independente de pesquisadores, profissionais de saúde, pacientes e outros interessados em promover a produção e disseminação de evidências de alta qualidade para tomada de decisões em saúde. 

    A Biblioteca Cochrane é distintiva por suas revisões sistemáticas, que são avaliações abrangentes e críticas da pesquisa em saúde disponível. Essas revisões oferecem uma síntese imparcial e rigorosa das evidências existentes, contribuindo significativamente para a orientação de práticas clínicas, políticas de saúde e pesquisas futuras.

    Clique aqui para saber mais e acessar os estudos disponíveis na biblioteca. 

    7. Scientific Electronic Library Online (SciELO)

    A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), em parceria com o Bireme, conduziu um projeto de pesquisa que deu origem à SciELO, que na tradução para o português significa Biblioteca Eletrônica Científica Online. 

    O portal reúne uma vasta coleção de periódicos acadêmicos produzidos no Brasil nas mais diversas áreas do conhecimento, incluindo medicina, fisioterapia e enfermagem.

    Em território nacional, o SciELO concorre no mesmo nível de bancos internacionais, como a Medline. Devido à sua eficácia e à padronização rigorosa de pré-requisitos, o projeto se disseminou para outros países: hoje, ele abarca artigos da Argentina, Espanha, Portugal, África do Sul, dentre outros.

    O motor de pesquisa da SciELO é similar ao da PubMed. Ele é munido de ferramentas como pesquisa casada de palavras-chave e busca em título, periódico ou nome do autor. Além disso, é possível realizar a pesquisa por assunto e direcionar a busca, mesmo sem uma palavra-chave específica.

    Conclusão: base de dados é o que não falta!

    A escolha entre as bases de dados para pesquisa deve levar em conta vários fatores: o assunto utilizado, sua relevância e a adição de palavras-chave são alguns deles. Ter em mente quais são os motores de busca mais utilizados no território nacional facilita que você encontre o artigo que mais se encaixa nas suas expectativas.

    E aí, a sua base de dados preferida não está listada aqui neste artigo? Escreva nos comentários.

    Agora que você já sabe quais são as principais bases de dados em saúde e como elas são importantes para o acompanhamento das tendências em reabilitação, confira um artigo sobre a importância da tecnologia na recuperação de pacientes.

    Até a próxima!

    Leia também:

    Como a tecnologia ajuda na fidelização de pacientes?

    21 dicas valiosas para deixar sua clínica de fisioterapia sempre lotada

    ChatGPT para fisioterapeutas: descubra como você pode se beneficiar da inteligência artificial

     





      A Miotec tem a missão de entender as necessidades dos pacientes e de desenvolver soluções para dar suporte aos profissionais da área da saúde, para que eles tenham mecanismos mais eficientes a favor dos tratamentos feitos. Tendo como objetivo a melhoria das capacidades físicas e motoras daqueles que precisam de tratamentos fisioterapêuticos, a Miotec desenvolve diversos produtos para contribuir com a qualidade de vida dos pacientes.





        Ad
        Ad
        Ad
        Ad

        A Miotec

        Fundada em 2002, a MIOTEC atua na área da saúde, desenvolvendo, produzindo e comercializando ferramentas tecnológicas direcionadas à pesquisas e terapias de prevenção, reabilitação e monitoramento, objetivando melhoria do bem-estar e do desempenho físico humano.

        Conecte-se

        ×
        Fechar